Top 5: É pra chorar!

foilme

Desafio da semana: assistir ao longa “Como eu era antes de você” sem derramar uma lágrima ou suspiro. Bom, meio óbvio que eu falhei. E, mesmo sabendo o fim do filme, já que eu li o livro uns dois anos – antes do boom – não fui forte o suficiente. Mas quem dera se esse fosse o único que me fez dar uma grande desidratada. Selecionei outros quatro pra essa lista. Continua lendo e anota as dicas, caso você seja do big team das choronas.. esse post é todinho seu!

Como eu era antes de você

Lou Clark é uma menina de uns 20 e muitos anos e que até agora não fez nada de importante na sua vida. Seu pai se encontra sem emprego e é ela a responsável pelo sustento da família. Trabalhando como garçonete, ela também acaba sendo demitida, pra desespero de todos. Até que surge uma vaga pra cuidar de Will Traynor, um cara que depois de ser atropelado há dois anos ficou tetraplégico. Uma relação de afeto surge entre eles dois… e, bom, é melhor ver pra não estragar. Lembro que terminei de ler o livro que inspirou a história em um shopping e: vergonha, claro, pois eu comecei a chorar. Muito.

Antes que termine o dia

Mais um pra lista patrocinada por uma empresa de lenços de papel. Me recordo que comecei a ver de madrugada, meio que por acaso porque curti a sinopse e no fim eu  não conseguia parar de soluçar real! O casal Sam e Ian estão em crise na relação. Sam é uma musicista e durante um jantar eles discutem por causa de ciúmes e, na volta para casa o táxi em que eles estão sofre um acidente e ela morre. Desolado, Ian vai pra casa e ao acordar vê que o dia ta se repetindo e ele tem uma nova chance de salvar o namoro deles. Nessa altura eu já estava tensa e com muitas e muitas lágrimas. O que acontece depois? Bom, não é tão óbvio assim e .. procura logo pra ver!

Em algum lugar do passado

Esse eu só de lembrar a música principal, já me dá umas angústias no peito e vontade de chorar.  Em 1972, o jovem Richard conhece uma senhora que lhe entrega um relógio de bolso e uma mensagem pedindo pra que ele voltasse para ela. Anos depois, ele se hospeda em um hotel e dá de cara com um retrato de uma jovem e se apaixona de cara. A tal moça em questão é Elise, uma atriz que viveu por ali em …1912 e que já morreu justo naquela noite que ele recebeu o presente da tal idosa. Richard começa uma busca louca de como voltar pro passado e se encontrar com o seu amor, Elise. Achei o final bem bobo, confesso. Mas o drama que eles vivem é maravilhoso!

Pearl Harbor

Filme preferido da v-i-d-a! E que, certamente choro sempre. Sempre mesmo. Rafe e Danny são amigos de infância e se alistam no exército americano durante a Segunda Guerra Mundial. Lá, Rafe conhece a enfermeira Evelyn e eles se apaixonam. Acontece que Rafe acaba dado como morto em uma missão pra desespero da noive e do amigo, Danny. Como todo romance água com açúcar, os dois se envolvem até que Rafe – papel do meu crush ever Bem Affleck – retorna depois de meses. Babado, confusão, lágrimas (minhas e deles) e gritaria.. até porque a mocinha descobre que ta grávida do Danny… É nesse momento que o Japão joga a tal bomba na ilha de Pearl Harbor – o que dá nome ao filme – e ai só vendo pra saber mesmo!

La Bamba

Esse filme do final dos anos 80 talvez seja o mais triste de todos, já que é baseado na vida do cantor dos anos 50, Ritche Valens, que morreu em um trágico acidente de avião quando estava no auge da sua carreira. Só daí dá vontade de despedaçar, né? Melhor cena é quando ele canta para sua namorada de colégio – ele tinha só dezessete anos! – a canção Donna que fez especialmente para ela. Além dela, o hit que é muito bom e que dá nome ao filme: La Bamba.

Anúncios

[Resenha]: A Escolha

foilme

Apesar de achar que ultimamente as histórias feitas pelo Nicholas Sparks andam repetitivas demais, eu sempre quero ver quando adaptam um livro dele pras telonas. Mês passado, eu dei o play no filme “A Escolha”.

Quando li o livro, eu torci o nariz pra história. Achei bem chata e monótono e assumo que fiquei meio em dúvida quando vi que ele se tornaria filme. Mas, posso falar? A história me surpreendeu bem positivamente, de um modo que nunca aconteceu nas adaptações do autor.

Travis (Benjamim Walker) é o típico mulherengo. Solteiro, não quer saber de compromisso. Mora sozinho e é filho do veterinário da cidade e seguiu a profissão do pai, porém encontra resistência da população pra aceita-lo como substituto. Gabriela, ou Gabby, é uma médica – interpretada pela Teresa Palmer – recém formada que veio fazer a sua residência em Beaufort, Carolina do Norte.

Ela se torna vizinha de Travis, por quem no começo torce o nariz por achar que ele é um bonvivant e logo precisa interagir, já que ela acha que o cachorro dele engravidou a sua cadela. E é ai que eles se envolvem e se apaixonam. Porém, com toda história escrita pelo Sparks, claro que no meio do caminho uma tragédia acontece. Atenção, o próximo parágrafo contém spoiller!

Sete anos depois, Travis e Gabby já são casados, tem um casal de filhos e a vida é aparentemente perfeita. Mas o casamento ta em crise por conta das constantes ausências de Travis por causa do trabalho, já que ele assumiu a clinica do pai. Em uma noite em que finalmente eles combinam de jantar fora, o veterinário se atrasa e Gabby ,triste, volta para casa sozinha. E é ai que um acidente acontece e ela fica em coma.

E é ai que conseguimos entender o título do filme: A Escolha. Quase três meses depois do acidente, Gabby ainda está desacordada e as chances dela sobreviver são quase nulas, pra desespero de Travis. E ele precisa fazer uma escolha: deixá-la ir pra sempre ou lutar por ela.

Quando li o livro e já meio calejada pelos finais bem tristes que o Sparks reserva em todas as suas publicações.  Mas ele veio e me surpreendeu. PAUSA PARA: O ex namorado de Gabby é nada mais, nada menos, Tom Welling, o eterno Superman de Smalville. E você, já viu o filme ou leu o livro? O que achou da história?

“Como ser solteira”: Eu vi

“O macete de ser solteira é que você tem que curtir ser.”

Cerca de duas semanas atrás, resolvi ir ver o filme “Como ser solteira”, que meu querido amigo André me enviou. Quando vi o trailler há uns três meses, me interessei logo de cara. Parecia aquele filme para você chamar alguma amiga e garantir a risada. Estrelado por nomes como Dakota Johnson – a mocinha bem cinza de 50 tons – e Rebel Wilson – a gordinha gente boa que figura ‘A Escolha Perfeita’.

Elas são Alice e Robin. A primeira acaba de sair de um relacionamento longo – já que ela quer saber como é ser solteira- termina a faculdade e está indo morar em Nova Iorque, com a irmã mais velha, Meg (Leslie Man), obstreta e que não deseja ter filhos tão cedo. Nenhuma delas deseja um namorado. Mas ao contrário delas, encontramos Lucy (Alisson Brie), que é do tipo viciada em sites de relacionamento e tem 1001 teorias de como encontrar o homem ideal nesses lugares.

“Se o Tom mandar um sms espere 4 horas pra responder. Se usar um emoji, leva um soco no peito.”

Quando eu dei uma conferida no trailler, meu primeiro – e único – pensamento foi: as quatro serão melhores amigas e vão mostrar os prós e contras da vida de solteira. Só que ai que a gente se engana. E se você acha que só vai gargalhar, tira o seu cavalinho da chuva. Tem drama sim. E se reclamar, tem mais.

Lucy, por exemplo, só contracena com as outras três meninas em pouquissimas cenas. Não há diálogo, não há cumplicidade. Zero. Alice e Robin são colegas de trabalho que caem na noite sempre que podem, em contra partida da Meg, que tá focada na profissão.

O longa, como um todo, demonstra as desventuras de ser, estar e se sentir solteira. Posso até afirmar que ele tende mais ao draminha – por mais leve que seja – do que para comédia. É um filme que você reflete o quanto vale a pena ter alguém ou ficar sozinha. Pegue a pipoca, o brigadeiro, o suco e se joga.

Devia ter, mas não teve!

foilme

Existem aqueles filmes tão legais que deveriam ganhar remake, certo? Semana passada foi assim, falei aqui daqueles que já garantiram uma segunda versão nas telonas. Mas tem os que são tão bacanas que por um motivo ou outro não ganharam uma refilmagem.

Sociedade dos poetas mortos

Eu amo esse filme – ele já apareceu aqui – e apesar de um dos finais mais tristes é um daqueles que mais que merecem uma nova versão. John Keating, papel do Robin Willians, chega para lecionar em uma escola só para garotos e altamente conservadora. São os anos 60 e ele provoca uma revolução entre os alunos quando estimula seus alunos a pensarem, com a antológica frase “Carpe Dien”. Para o papel do mestre, eu escalaria dessa vez Bradley Cooper.

O Clube dos Cinco

Cinco alunos totalmente diferentes – o nerd, o atleta, a gótica, a patricinha e o rebelde – e que nunca sequer trocaram uma palavra na escola, são colocados de detenção por um sábado inteiro, 24 de março de 1984. Ali, trocam segredos e seus medos em relação a vida adulta. Dessa vez, escolheria para os papéis: Nat Wolff, Ansel Elgort, Jenniffer Lawrence, Lily James e Cameron Boyce.

Sonho de verão

Brazuca na lista! Esse filme é meu favorito da vida inteira, daqueles que eu poderia ver milhões de vezes (e já falei um outro tanto aqui!). Sérgio Mallandro é Léo um cara pra lá de irresponsável que pra conquistar a garota que quer, se faz passar pelo sobrinho dos donos de uma mansão e que estão viajando. Agora Léo é Murilo Benício, que tal?

Curtindo a vida adoidado

Atire a pipoca quem falar que nunca viu esse clássico de Sessão da Tarde. Ferris Buttler  – Matthew Broderick – finge que está doente para matar aula e resolve dar uma tarde especial ao seu melhor amigo Cameron e a namorada Sloane. Pega o carro do pai de Cameron, uma Ferrarri e passear pela cidade. Destaque, claro, para a cena em que ele dança no meio da rua. Quem já viu o filme, sabe o que dá quando ouve “Twist and Shout”. O trio de protagonistas, ao meu ver, ficaria por conta de Alex Pettyfer, Skandar Keynes e Shailene Woodley.

Na telona em 2016

foilme

Alguém concorda que 2016 tá logo ali? Só piscar que o novo ano tá batendo na nossa porta. E, com isso, começamos a ver o que vem por ai. Nesse post, trouxe cinco filmes – todos sequências – que tem tudo pra bombar nos cinemas ano que vem. 

Vai que dá Certo 2

 

No primeiro filme eles tentaram ficar ricos e fracassaram. Agora, o grupo de amigos formado Rodrigo (Danton Mello), Amaral (Fábio Porchat) e Tonico (Felipe Abib) decidem chantagear Elói (Vladimir Britcha), já que ainda precisam da grana. O que eles não esperavam é que não são só eles a entrarem nessa jogada. A estreia tá prevista para 7 de janeiro. Boa pedida para uma tarde de cinema com os amigos.

Capitão América: Guerra Civil

Terceiro filme da saga e com estreia prevista para abril do ano que vem, o longa vem falando da disputa de Steve Rogers, vulgo Capitão América com Tony Stark, o Homem de Ferro.

Batman vs Superman – A origem da justiça

8589130557081-batman-vs-superman-wallpaper-hd-cinemundo-2

O ano vai ser especial para os amantes de histórias de super heróis. Dessa vez, a luta é entre os mais famosos: Batman – interpretado pelo meu muso mor, Ben Affleck –  e Superman (Henry Cavill). Eu, que não sou fã do gênero, devo ver só por causa do Bruce Wayne

X-men: Apocalypse

Nesse que promete ser o último da saga X-Men, conta sobre a volta do ancestral dos mutantes, En Sabah Nur, e pretende colocar o mundo em apocalipse para conseguir dominar. Chega nas telonas em maio de 2016.

Procurando Dory

“Oi, eu sou a Dory”. Treze anos depois – SIIIM!!! –  de “Procurando Nemo”, o trio – Marlin, Nemo e Dory – voltam pra alegrar nossas vidas. A dona do bordão “Continue a nadar, continue a nadar”, é a perdida da vez. A história se passa um ano depois do resgate do peixe palhaço Nemo. Vai pros cinemas nas férias da garotada, no fim de junho.

[Top 6]: Cinema Nacional.

Hoje, no dia 5 de outubro é considerado um dos dias do Cinema Nacional. Sim, existem duas datas – a outra é 19 de junho – mas hoje é o que consideram a primeira exibição pública de cinema nas terras tupiniquins.

Apesar de muita gente torcer o nariz quanto as nossas produções nacionais, nos últimos anos o cinema nacional vem conquistando cada vez mais telespectadores. E, pra celebrar, separei seis filmes nacionais que eu adoro de paixão.

Sonho de Verão

Pra mim, é o melhor da minha infância e adolescência e vida adulta. Cansei de contar quantas vezes aluguei o VHs, o DvD e que vi no youtube depois. Figurinha fácil da “Sessão da Tarde”, ele já apareceu quando dei meu top 10 de filmes dos anos 90, lá no comecinho do blog. Sérgio Mallandro querendo impressionar e dar um verão inesquecível para a namorada, se faz passar por um sobrinho de um casal milionário que acabou de viajar e deixou a mansão vazia. O que ele não esperava é que um bando de adolescente confundisse o local com uma colônia de férias. O enredo é até meio bobo, mas tem meu amor pra sempre!

Desenrola

Priscila (Olívia Torres) é uma adolescente como todas as outras. Tem suas encanações, dúvidas, incertezas e, claro, paixões não correspondidas. Quando sua mãe precisa viajar por vinte dias por conta do trabalho, ela aproveita pra acabar com algo que a incomoda: sua virgindade. No elenco do filme de 2001 temos Pedro Bial, Juliana Paiva e Kayky Britto

Vai que dá certo

Sabe aquele filme que você vai ver no cinema por falta de opção? Foi assim com ‘Vai que dá certo’. E zero arrependimento. Saí da sala com a barriga doendo de tanto rir. A história, de 2013, fala de quatro amigos desde o colégio e que estão com a vida sem perspectiva: os irmãos Vaguinho (Gregório Duvivier) e Amaral (Fábio Porchat) – donos de uma locadora que tá falida -, o professor de inglês, Tonico (Felipe Abib) e o cantor de bar Rodrigo (Danton Mello) tem a chance de participar de um assalto e mudarem de vida. Só que claro que nada dá certo e eles acabam se metendo em muitas confusões. A sequencia chega ano que vem.

Muita Calma nessa hora

Sabe aquele filme que você identifica com uma personagem? Ou com a história? Pra mim, são os melhores. Em MCNH, é aquele que você precisa ver com as amigas (ele e mais um monte, falei deles aqui), sabe? Tita (Andréia Horta) depois de descobrir a traição do noivo nas vésperas do casamento, escala as melhores amigas, Anninha (Fernanda Souza) e Mari (Gianne Albertoni) para curtirem a lua-de-mel já paga na paradisíaca Búzios. Nesse meio tempo elas conhecem Estela (Débora Lamm) e o trio vira um quarteto.

Confissões de Adolescente

Eu já era muito fã da série que passou na TV Cultura lá na metade dos anos 90 e teve três ou quatro temporadas. Para minha surpresa, em 2014, eles resolveram levar essa o enredo para as telonas (e pros dias de hoje, claro) e eu, quase uma balzaquiana, corri pro cinema. Quatro irmãs, criadas só pelo pai, de diferentes faixas etárias, sofrem os seus dilemas e dúvidas de serem adolescentes. Menção honrosa pra Sophia Abrahão cantando ‘Sina’, do Gilberto Gil. Fofo ❤

Minha mãe é uma peça

Baseada na peça de mesmo nome, cujo prota é o Paulo Gustavo, o filme fala da vida da Dona Hermínia (Paulo Gustavo), uma mulher – super inspirada na mãe dele – que tá divorciada e foi trocada por uma outra bem mais jovem e que não para de pegar no pé dos seus filhos: Marcelina e Juliano. Um dia, ela descobre que eles a acham uma chata e insuportável e sai de casa, sem avisar ninguém o que os deixa bem preocupados. Mas na verdade, ela só vai visitar a tia Zélia. Eu sou muito fã do PG, tanto que lá em janeiro bem fui no #220V e contei aqui, claro. Ah, a notícia boa é que ano que vem a continuação chega no cinema.

Livros de Sparks que viraram filmes

Mês que vem mais um livro do renomado autor Nicholas Sparks chega nas telonas. O escolhido dessa vez é o “Uma longa jornada” e tem como protagonistas: Britt Robertson e Scott Eastwood. Não é a primeira vez que um livro dele foi adaptado, né? Eu mesma já falei do lançamento em um outro post.  Apesar de nunca levarem a sério a história dos livros, o fato é que o cara é um dos campeões em adaptar suas publicações para os cinemas. Listei aqui aqueles que já foram parar nas grandes telas.

#1 – Diários de uma paixão (2004): diário

Foi o único que não li o livro (ainda) e provavelmente por isso que curti muito e é um dos meus preferidos. Estrelado pela Rachel McAdams e Ryan Gosling. Eles se conhecem ainda jovens, durante a Segunda Guerra Mundial. Mas, por serem de classes sociais diferentes, a família dela é contra o relacionamento deles. Anos se passam e Allie está prestes a se casar, mas ainda não se esqueceu de Noah e volta para a cidade e o reencontra. Anos mais tarde, o já velho Noah conta todos os dias conta a história deles para a sua esposa que sofre de Alzheimer. O lado bom é que o livro tem continuação (O Casamento), só não sei se há planos que vire filme. Merecia!

#2 – Noites de Tormenta (2008):

noites-tormenta-03g

Ao contrário do “Diário”, foi o único dos filmes dele que ainda não vi. Motivos? Não curti nadinha do livro, tá lá em último na minha lista de preferências das publicações do Sparks. Achei bem chato e arrastado. Não me emocionei no filme. O longa conta a história de Adrienne  e o dr. Paul. Ela, busca refúgio numa pousada de uma amiga para fugir do caos. Ele aparece por lá no meio de uma viagem procurando abrigo por causa de uma tempestade.  Foi estrelado por Richard Gere e Diane Lane.

#3 – A última música (2010) :
a-ultima-musica-filme-cinema

De longe, um dos meus livros preferidos do Sparks. Só que veio a Hannah Montana e estragou a história linda, uma das mais fofas que já li e que me fez chorar. Ronnie, personagem da Miley Cyrus, é obrigada a passar o verão com seu pai (Greg Kinnear) que não via há anos junto com seu irmão mais novo em uma cidade litorânea no sul dos Estados Unidos. Contrariada, a adolescente problemática não conta com as surpresas que esses meses lhe trarão. Juro que não tenho birra contra a Cyrus, só que ela não passou a emoção necessária para a personagem enquanto no livro eu chorava litros nos capítulos finais.  Menção honrosa para a música “Climb”, que sim, eu curti.

#4 – Querido John (2010):

querido-john

Primeiro livro que li do Nick, portanto tenho um carinho pra lá de especial. Já do filme, bom..  tem algo que eu preciso desabafar: obrigada, por estragarem o final. #SQN. Sério, roteiristas! Vocês não entenderam a mensagem do livro? O longa fala da história de amor entre Savannah, interpretada pela fofa da Amanda Seyfried, e por John, personagem de Channing Tattum. Eles se conhecem durante o verão quando ele, que é um militar, está de férias e ela na cidade construindo casas populares. Quando ele volta para o quartel, começam a se comunicar por cartas (e o ano era 2010, okei). Apesar da mudança surreal do final (que mudou t-o-d-a a coerência da história), eu até que curti.

#5 – Um porto seguro (2013):filmes_2480_safehaven-004

zzZzzz.. Sério, tanto para o livro quanto para o filme. O longa conta a história de Erin Tierney que fugindo do seu marido violento vai se esconder na pequena cidade de Southport, na Carolina do Norte, sob a falsa identidade de Katie Feldman. Lá, conhece o viúvo Alex Wheatley e se envolve com ele, se afeiçoando aos seus filhos pequenos, Lexi e Josh. Katie também faz amizade com a sua vizinha Jo. Bom, o resto é spoiller. Eu não curti, achei cansativa mas teve gente que adorou, né? O casal principal é interpretado pela Julianne Houghs e pelo Josh Duhammel. Confesso que o fim é até que fofo. Mas só o fim mesmo. E até um bocado surpreendente.

#6 – Um homem de Sorte (2012):

Wallpapers_1600x1200_C

O filme vale a pena por motivos de Zac Efron mostrando que não é mais um rostinho bonito e muito mais do que a trilogia HighSchool Music. Logan é um sargento do Exército americano que percorre o país atrás da sua salvadora. Sim, salvadora. Acontece que no meio da guerra ele foi salvo de um bombardeio ao sair de onde estava ao avistar uma foto. E sempre que estava com a fotografia de uma moça ele se salvava de morrer. Considera então que a moça desconhecida é seu amuleto e decide encontra-la a todo custo. A única informação que ele tem é o casaco de uma universidade que a mulher na fotografia tá usando e parte rumo a Carolina do Norte. Lá conhece Beth , interpretada pela Taylor Schilling , professora e divorciada (a tal moça), ele se oferece para trabalhar no canil que ela é dona e eles iniciam então um romance que logo chega aos ouvidos do louco do ex-marido dela, um policial filho de uma família rica e influente da cidade. Eu curti mais ou menos o livro. O filme é mais legal e por incrível que pareça foi fiel o suficiente.

#7 – Um amor para recordar (2002): 12813077

Primeiro longa baseado em um livro do Sparks. Chorei tanto com o filme e muito mais com o livro. Infelizmente, há diferenças entre os dois. Algumas, porém significativas. No livro, a história se passa na década de 50 enquanto na telinha a trama rola nos dias atuais. Landom (Shane West) é o típico adolescente rebelde. Punido por ter feito mal a um rapaz, ele é obrigado a ajudar na produção da peça de teatro da escola. Lá se aproxima de Jamie (Mandy Moore), a filha do pastor da cidade. E como todo bom folhetim, claro que eles se apaixonam. Mas para infelicidade do casal, a garota tá seriamente doente. E então, o rapaz que antes era conhecido pela rebeldia se torna um rapaz doce. Destaque para a trilha, que dá todo o charme pra história.

Para quem quiser assistir, “Uma longa jornada” tem previsão de estreia no dia 10 de abril. Confira o trailler aqui:

Livro do Sparks vira filme!

Confesso! Tenho preconceito com filmes que são adaptados de livros. Isso se agrava quando eu vejo o filme depois de ler o livro, sempre acho defeitos ou me irrito pois não segue a coerência da história. Quando a adaptação é feita através de alguma obra do Nicholas Sparks, já sei que não vou curtir. Foi assim com “Querido John” (2010) e “A última música” (2010). Saí do cinema de cara amarrada não acreditando no que fizeram. Mas isso é assunto para outro post.

Pôster do filme "O melhor de mim" (fonte: site Adoro Cinema)

Pôster do filme “O melhor de mim” (fonte: site Adoro Cinema)

Vim aqui falar que, dia 17 de outubro, chega nas telonas um novo filme baseado em outro livro do Sparks. Com direção de Michael Hoffman (Um golpe perfeito), o longa conta sobre a história de  Amanda e Dawson, que foram namorados na adolescência, mas que por obra do destino acabaram se separando. Mais de 20 anos depois, acabam se reencontrando para se despedirem de um querido amigo em comum.

No elenco, Michelle Monaghan (O melhor amigo da noiva) e Liana Liberato (Se Eu Ficar) como Amanda Collier e James Marsden (Encantada) e Luke Bracey (Monte Carlo) como Dawnson Cole.

 

Confira aqui o trailer do longa: