#TemQueLer: Fiquei com seu número

livro

A Sophie Kinsella é uma das minhas escritoras internacionais favoritas. Ela – autora da saga Becky Bloom – tem um jeito muito próprio e único de escrever: é aquele que te leva as gargalhadas do começo ao fim.

O último que eu li dela foi o “Fiquei com o seu número”, mais um do gênero chick lit – ou mulherzinha, se preferirem – e me rendeu muitas risadas. Eu comprei o livro em uma viagem de findi que fiz para São Paulo lá em 2013 e já comecei a ler na volta.


A jovem Poppy Wyatt está prestes a se casar com o homem perfeito e não podia estar mais feliz… Até que, numa bela tarde, ela não só perde o anel de noivado (que está na família do noivo há três gerações) como também seu celular. Mas ela acaba encontrando um telefone abandonado no hotel em que está hospedada. Perfeito! Agora os funcionários podem ligar para ela quando encontrarem seu anel. Quem não gosta nada da história é o dono do celular, o executivo Sam Roxton, que não suporta a ideia de haver alguém bisbilhotando suas mensagens e sua vida pessoal. Mas, depois de alguns torpedos, Poppy e Sam acabam ficando cada vez mais próximos e ela percebe que a maior surpresa de sua vida ainda está por vir.  

Editora: Bertrand

Páginas: 464

Autora: Sophie Kinsella

Ano: 2012


Poppy Wyatt está noiva do homem da sua vida, Magnus um chato até dizer chega! Até ai tudo bem se em uma confusão em um hotel que ela está hospedada e perde o anel do noivado – que está na família do cara há três gerações! – e como senão bastasse a onda de azar, o seu celular também some.

Como o desespero bate a porta para ter de volta o tal anel, Poppy acaba achando um outro aparelho de telefone para que as pessoas possam entrar em contato com ela. Só que o celular tem dono e ele é do Sam Roxton, empresário bem sucedido. E, claro que ele quer e precisa do seu aparelho de volta. Poppy diz que não vai devolver até encontrar o anel – não era mais fácil ela comprar um novo aparelho, gente? – e eles começam a conversar.

Ela decide então dividir o aparelho com Sam: fica com ele até ligarem com a notícia do resgate e ela vai passando os recados, mensagens e ligações pra ele. Claro que como todo livro ‘mulherzinha’, o final é pra lá de óbvio. Mas é um dos livros mais engraçados dela que já li por ai. E você, conhece a história ou já leu algo da autora? Escreva nos comentários pra gente!

Anúncios

#TemQueLer: Os meus preferidos!

livro

Sou uma pessoa completamente viciada em livros. Quer fazer os meus olhinhos brilharem? Me colocarem em uma livraria ou até me dando algum exemplar. Mas, é claro que eu tenho os meus preferidos da vida. Aqueles que eu já li e que tem um lugar pra lá de especial no meu coração. Por isso o #TemQueLer de hoje é especial. Vou falar dos meus cinco livros mais queridos de sempre

Casório – Marian Keyes

A Marian é a minha autora favorita! Já li quase todos os livros dela. E, entre todos, ‘Casório’ é aquele especial. Lucy Sullivan tem vinte e seis anos e a vida amorosa dela é uma desgraça. Mas então ela vai a uma cartomante que diz que ela vai se casar em breve. O único problema é que ela nem namorado tem. A nossa protagonista ainda divide o apê com mais duas amigas. E eis, que em uma festa ela conhece Gus e se apaixona de cara. Pra Lucy, ele é o princípe encantado. Só que o tempo vai passando e ele se transforma em sapo.

Um amor para recordar – Nicholas Sparks

Os livros do Sparks são conhecidos por virarem filmes. E não sei o motivo, eles sempre conseguem fazer uma história completamente diferente da original. Em “Um amor para recordar” os dois seguem mais ou menos a mesma linha de raciocínio. Landon Carter, o menino rebelde e irresponsável, com seus 17 anos, precisa fazer um trabalho comunitário com a certinha Jamie Sullivan depois de aprontar no colégio. Os opostos se atraem e eles acabam se apaixonando. Vai dar certo? Eu terminei esse livro chorando e muito. E quando vi o filme chorei de novo.

Simplesmente Acontece – Cecelia Ahern

Pra mim um dos livros mais lindos que já li. E mais reais. Daqueles que acontecem com você ou com a vizinha. Inclusive, ele já figurou no #TemQueLer, ano passado. E também já virou filme. Alex e Rosie são melhores amigos e grudados desde os cinco anos, quando se conhecem na escola. Quando se formam, a vida de ambos torna rumos diferentes e mesmo assim, a amizade não se deixa abalar. Em países ou momentos diferentes da vida, os protagonistas estão sempre participando de um modo ou de outro. Parte legal? Tudo é narrado através de cartas, mensagens, emails ou SMS.

O segredo de Emma Corrigan – Sophie Kinsella

Se tem uma característica bem forte das mocinhas da Kinsella é que todas são engraçadas. Quando você começa um livro dela, eu já te falo que a risada é certa. Aqui, Emma Corrigan é uma mulher de quase 30 que ao voltar de uma viagem a negócios passa por uma turbulência no voo e fala todos os segredos para o estranho ao seu lado. O que ela não conta é que esse rapaz é seu novo chefe. Agora, a protagonista fica nas mãos do cara e além disso ele é … hum, lindo demais. Emma fica desesperada e comete uma atrapalhada atrás da outra. Vale a leitura, os risos são certos.

Um coração em guerra – Li Mendi

Imagina uma pessoa querida e atenciosa. Essa é a Li Mendi, autora de vários livros e e-books. Tão fofa que me concedeu uma entrevista quando fiz o primeiro mês do nosso blog. Gostei tanto desse livro dela, que quando resolvi escrever meu próprio livro (não sabia? Tem o primeiro e segundo capítulo postados aqui!), o nome do personagem é o mesmo: Caio. Ele e Isabella, são melhores amigos de colégio. Ela, toda patricinha e a pop. Já Caio é roqueiro e tímido. Tudo muda quando Bella descobre que seu então amigo passou para uma prova e vai morar longe. O sentimento dela muda e assim, muita coisa acontece. Já li umas três vezes e sempre me emociono. Ainda não existe livro físico, só na versão digital. Mas posso garantir que vale a pena.

Becky Bloom está de volta!

livro

Quem é fã da Becky Bloom, pode comemorar. Chegou às lojas o sétimo livro da saga escrita pela querida Sophie Kinsella (uma das minhas autoras favoritas. Amo! <3). “Becky Bloom em Hollywood”. Atenção, o resto do post contem spoiller!

Quem leu o último livro (Mini Becky Bloom: Tal Mãe, Tal filha), lembra que Luke Brandon, marido da Becky, tinha sido chamado para trabalhar com a estrela de cinema Sage Seymour, certo? E quer coisa melhor do que morar na cidade das celebs? Claro que Becky pira.. ela já se imagina melhor amiga das atrizes e desfilando no tapete vermelho!

Isso sem falar nas milhares de compras que L.A tem a oferecer, claro. Afinal, estamos falando da nossa shopaholic mais louca do mundo dos livros! O lance é que nem tudo é conto de fadas, luxo e puro glamour e assim que eles chegam à cidade, confusões acontecem. Quais? Bom, pra começar, uma antiga rival – Alicia – volta. E, para completar, Becky tem a chance de se tornar a stylist da maior concorrente da cliente do marido.

Já previu as mais diversas loucuras? Pois é, eu também. Para mim, a escrita da Kinsella é tão leve, simples e natural e as trapalhadas da Becky tão insanas que você fica com pena dela que estou ansiosa para começar a ler. Estava com saudades, Becky! Ah! Notícia boa para os moradores da cidade maravilhosa e da capital paulistana: Sophie estará autografando os livros na Bienal (RJ) e em uma livraria (SP). Não vi notícias de passagem da autora em outras cidades/capitais

#TemQueLer: “A lua de mel”

livro

Muitos não sabem, mas eu tenho um Top 3 de autores favoritos da vida, que não importam se o livro não me encante muito, eu vou ler. E vou indicar pra uma amiga (já fiz taaanto), de verdade. Entre esses, tá Sophie Kinsella (curiosidade: os outros dois são: Nicholas Sparks e Marian Keyes), aquela que escreveu sobre a nossa shoppholic preferida, Becky Bloom.

O #TemQueLer de hoje, traz o último livro que li dela, “A lua de mel”. Costumo dizer que cada um tem um estilo, uma marca própria para suas histórias e com ela, não é diferente. Porém, esse livro tem uma pegada um pouco Marian Keyes. Quem conhece o trabalho das duas autoras, vai me entender. Não estou afirmando que o enredo é ruim, só que vi mais elementos da MK, do que da Kinsella, ok?


Ao se dar conta de que o namorado nunca vai pedir sua mão em casamento, Lottie toma uma decisão. Termina o compromisso com ele e diz o tão sonhado sim a Ben, uma antiga paixão, com quem ela havia prometido se casar se ambos ainda estivessem solteiros aos 30 anos. Os dois então resolvem pular o namoro e ir direto para uma cerimônia simples e seguir para a lua de mel em Ikonos, a ilha grega onde eles se conheceram. Mas Fliss, a irmã mais velha da noiva, acha que Lottie enlouqueceu. Já Lorcan, que trabalha na empresa de Ben, teme que o casamento destrua a carreira do amigo. Fliss e Lorcan então elaboram um plano para sabotar a noite de núpcias do casal e impedir que os noivos cometam o maior erro de suas vidas. 

Editora: Record

Número de Páginas: 493


Lottie tá louca para que seu namorado a peça em casamento. Só que isso não acontece e ela acaba se enchendo e termina tudo. Nesse meio tempo, Ben, uma paixão antiga reaparece e a faz lembrar da promessa que fizeram: se ambos estivessem solteiros aos 30, que eles iriam se casar. Loucura total. Impulsiva que é – e querendo se vingar do agora ex- ela aceita o pedido.

Eles partem então, para ‘A lua de mel’. Ai que a confusão começa. Quais as chances de dar certo? O livro mostra também a visão da Fliss, a irmã da Lottie, uma mulher que está na beira do divórcio e que, claro, é completamente contra essa insanidade da irmã. E temos também Lorcan, melhor amigo e parceiro profissional de Ben, que tem certeza que essa união vai dar completamente errado.

Se eu gostei? Sim, mas não tá na lista dos meus favoritos dela (aliás, acho que é o último na sequencia eu gosto. E olha que já li todos que ela escreveu. Uhum). É divertido, porém não tanto quanto os outros dela, sabe? Mas vale a leitura.

#TemQueLer: Samantha Sweet, executiva do lar

Tenho uma lista de autoras preferidas na vida. E a Sophie Kinsella é certamente uma delas. Acredito que já li todas as publicações dela no Brasil e gostei de todas. Para quem não está ligando o nome a pessoa, ela é autora da série Becky Bloom #voltaBecky.

 Sinopse: Meu nome é Samantha, tenho 29 anos. Nunca assei um pão na vida. Não sei pregar botão. O que sei é reestruturar um contrato financeiro e economizar 30 milhões de libras para meu cliente.
Samantha Sweet é uma advogada poderosa em Londres. Trabalha dia e noite, não tem vida social e só se preocupa em ser aceita como a nova sócia do escritório. Ela está acostumada a trabalhar sob pressão, sentindo a adrenalina correr pelas veias. Até que um dia… comete uma grande mancada. Um erro tão gigantesco que pode destruir sua carreira. Samantha desmorona, foge do escritório, entra no primeiro trem que vê e vai parar no meio do nada. Ao pedir informação em uma linda mansão, é confundida com uma candidata a doméstica e lhe oferecem o emprego. Os patrões não fazem idéia de que contrataram uma advogada formada em Cambridge, com QI de 158, e que não tem a menor noção de como ligar um forno! O caos se instala quando Samantha luta com a máquina de lavar… a tábua de passar roupa… e tenta fazer cordon bleu para o jantar… Mas talvez não seja tão incapaz como doméstica quanto imagina. Talvez, com alguma ajuda, ela possa até fingir. Será que seus patrões descobrirão que sua empregada é de fato uma advogada de alto nível? Será que a antiga vida de Samantha irá alcançá-la? E, mesmo se isso acontecer, será que ela vai querer de volta? A história de uma mulher que precisa diminuir o ritmo. Encontrar-se. Apaixonar-se. E descobrir para que serve um ferro de passar..

Autora: Sophie Kinsella

Editora:  Record

Número de páginas: 572


Samantha é daquele tipo workholic e tem um único objetivo na vida: se tornar sócia do escritório de advocacia. Além disso, ela não tem vida social e vive 24 horas do seu dia para o trabalho. Tem a vida, que digamos, pediu a Deus. Mas mesmo assim, se sente solitária . Quando, sem querer, comete um erro grave de bilhões para o escritório em que trabalha, ela entra em choque e surta completamente. Pega um trem e com a roupa do corpo acaba parando na casa de uma família classe média alta que a confundem com a candidata a empregada. Para quem não sabia nem ferver água, Samantha passa por poucas e boas. Na marra, aprende a cozinhar, a arrumar a casa. E ela amadurece. Começa a perceber que existe uma vida bem legal sim, fora do escritório. No melhor gênero Sophie Kinsella de ser, claro que a protagonista não podia deixar de viver um novo amor e ser atrapalhada. Para quem gosta do estilo chick lit, pode colocar na lista, garantias de gargalhadas.

Dia da mulher na literatura!

Hoje, no dia 8 de março é considerado o dia internacional da mulher. Essa data existe oficialmente desde 1910, mas tudo começou uns bons anos antes (mais precisamente em 1857) quando um grupo de operárias de uma fábrica de tecido de Nova Iorque, cansadas da jornada de trabalho e péssimas condições de trabalho, resolveram reivindicar com uma greve. Elas foram agredidas tanto pela polícia quanto pelos patrões e trancafiadas e a fábrica, incendiada causando a morte de todas.

Desde então, nós mulheres, tentamos nos equiparar em vários aspectos com os homens: queremos o direito de exercer profissões que antes era consideradas aparentemente masculinas e ganhar o mesmo salário, lutamos a favor de poder transar no primeiro encontro sem ser considerada ‘fácil’ perante a sociedade.

E, para celebrar o dia de hoje, eu que sou uma viciada em literatura de mulherzinha (conhecida também como gênero chick lit), vou dar meu Top #6 de livros cuja protagonistas são mulheres de fibra.

# Capitu, do livro “Dom Casmurro” de Machado de Assis

imagesLivro que deve ser um dos mais pedidos enquanto estamos no Ensino Médio, né? Li uma única vez, por conta do colégio e me encantei. A história é sobre a vida de Bentinho, mais conhecido como Dom Casmurro, mas vamos combinar que a dona dos ‘olhos de cigana oblíqua e dissimulada‘ é que tem mais destaque na trama, né? Amigos de infância e depois namorados, Bentinho e Capitu protagonizam uma das respostas mais misteriosas que ninguém nunca conseguiu responder: afinal, ela traiu ou não o marido com o seu melhor amigo?

# Aurélia, do livro “Senhora” de José de Alencar

564989Acho um dos livros mais lindos e fofos da literatura brasileira. Aurélia, moça pobre e simples se encanta por Fernando. Eles começam a namorar, mas logo depois ele a troca para ficar noivo de uma moça rica. Um tempo depois, ela recebe uma herança do avô e fica rica. O jogo vira e ela, sem Fernando saber consegue que ele se case com ela sem saber quem era a esposa (século dezenove, povo!) e faz dele gato e sapato como forma de se vingar pelo fato de ter sido trocada. Claro que o tiro saí pela culatra e o final todo mundo sabe, aquele velho clichê.

# Becky Blom, da série Becky Bloom, da Sophie Kinsellabecky-melina

Mulherada que é consumista: impossível não se identificar nem um pouco com a Becky. Dona de uma coleção de sete livros, a saga conta as trapalhadas da nossa shoppaholic (algo como viciada em compras) preferida. Ela é tão fofa (e os livros são tão bem escritos) e tão gente como a gente que no fim você acaba querendo ser amiga dela e se sente tão íntima que quando enlouquece ao ver uma roupa na vitrine da loja logo lembra dela.

# Hermione Granger, da saga Harry Potter

daniel-radcliffe-emma-watson-harry-potter-hermione-granger-Favim.com-529513Tudo bem, podem criticar falando que ela não é a protagonista. Mas vou ter que discordar. Para quem leu a saga do bruxo mais amado do século consegue imaginar a vida do Harry sem a Mione, sua melhor amiga e o cérebro do trio? Impossível, né?  E ainda foi defendida tão bem durante dez anos pela Emma Watson; Por isso que ela merece sim o destaque aqui na minha lista.

# Claire, do livro “Melancia” da Marian Keyes

ÍndiceQuem conhece ou já leu algum livro da Marian sabe que seu forte é escrever livros cujas personagens principais são mulheres. Eu escolhi a Claire – apesar de não ser meu livro preferido da Marian – pois é nela que começa a sequência de livros das mulheres Walsh (“Férias”, “Los Angeles”, “Tem alguém ai”, “Chá de sumiço” e “Dicionário da mamãe Walsh”) que me fizeram dar muitas risadas. E também, porque ela passa por poucas e boas: é abandonada pelo marido assim que tem a filha deles e é obrigada a voltar a morar com os pais e as irmãs.

# Ana, do livro “Simplesmente Ana” da Marina Carvalho

Simplesmente-AnaQualquer semelhança com um certo filme é mera coincidência, ok? O livro da autora brasileira Marina Carvalho, conta a história de Ana, uma estudante de direito moradora da cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais que acha que o pai abandonou sua mãe Olívia antes mesmo dela nascer. Acontece que depois de 20 anos ela descobre que ele nem sabia que ela existia e, pasmem, é rei de um – fictício- pequeno país europeu, Krósvia. A nova princesa decide passar um tempo lá para conhecer o seu pai, rei Andrew e se adaptar na sua nova vida. O livro é tão fofo que devorei em uns dois dias e pirei quando soube que tem continuação (que eu já li, claro),o “De repente, Ana”.