Aperte o Play: Justin Timberlake

Costumo me definir como uma pessoa bem eclética musicalmente falando. E não poderia deixar de trazer no Aperte o play de hoje, um dos cantores que mais admiro – tanto pela voz quanto pela beleza – e que graças a Deus tive a oportunidade de fazer um check na vida ao assistir um show dele, que valeu cada centavo, perrengue e suor.

Justin Timberlake ficou conhecido mundialmente ao participar da boyband N’Sync e namorar a princesinha do pop Britney lá pelos anos 2000.  Além disso, o cara atua, dança e compõe. Separei aqui então, as minhas cinco músicas favoritinhas dele para gente apertar o play.

Not a bad thing

Imagina a sua música favorita da vida? Aquela que consegue definir vários momentos importantes. Bom, é assim com Not a Bad Thing. Quem me apresentou foi a minha amiga Camilla, a mesma do vídeo Paulistas x Cariocas e se tornou tão preferidinha, que virou trilha do meu livro – os dois primeiros capítulo você encontra aqui – e é daquelas que eu ouço todos os dias.

What Goes Around.. comes around

Essa canção, que era minha favorita dele antes de Not a Bad Thing, talvez seja a canção que mostrou pro mundo que Justin não era mais um rostinho bonito de boyband. Lançada em 2008, a música tem uma mensagem bem bacana: “What goes around/Comes all the way back around”. (O que vai/Faz todo o caminho de volta)

Mirrors

Tenho uma história bem engraçada com Mirrors. Lá em 2013, quando Justin Timberlake veio ao Brasil para o Rock in Rio – e eu estava lá – era completamente viciada. Corta para outro ano e essa mania que tenho de associar música/pessoa, me fez ter um pouco de bode dela por meses e meses. Hoje, não consigo ouvir sem dar risadas. Apesar da música ser ótima, preciso confessar que prefiro a versão que o Boyce Avenue canta.

Suit and tie

Lançada na mesma época de Mirrors, Suit and Tie tem uma batida pra lá de gostosa de ouvir. Em parceria com Jay Z, fez um sucesso enorme lá pra 2012/2013. Mas é uma das que de tanto ouvir, a gente acaba enjoando.

Love Never felt So Good

Menção honrosa da lista. Essa música, feita ‘em parceria’ com Michael Jackson, é uma das que considero mais fofas que o Justin Timberlake canta. Além disso, o clipe é daqueles que conseguem te passar uma mensagem pra lá de animada.

Anúncios

Aperta o play: Purpose e Justin Bieber

Confesso: sempre torci o nariz pro menino Justin, mas agora estou completamente viciada nesse último CD do rapaz. Ok, sou oficialmente uma Belieber! #prontofalei.. O lance é que “Purpose”, mostra uma fase mais madura do cantor canadense, de apenas 22 anos.

Bieber despontou – e arrasou o coração das adolescentes – em 2009 quando tinha apenas 16 anos com o hit chiclete “Baby”. E no ‘Aperte o play’, as minhas cinco músicas que não saem da minha cabeça!

What do you mean

De longe, o melhor acerto do menino Justino até agora. Pra variar, não lembro quando foi a primeira vez que eu ouvi. Mas é daquelas que você ouve mil vezes sem enjoar, sabe? Poderia passar o dia escutando!

Sorry

Música per-fei-ta pra malhar. “Uhhh .. Sorry”, é daquelas beeem dançantes. Vale suuuuper a pena. Impossível não ouvir o refrão e não querer sair rebolando por ai.

Love Yourself

Dizem os boatos que esse single foi feita para a ex dele, a atriz Selena Gomez. Uma baladinha mais romântica, com um quê acústico. Boa pra relaxar.

Where Are You Now

Em parceria com o produtor Skrilexx, a música tem a cara da balada e pros fãs de eletrônico..

All In it

De todas, é a mais romântica. Perfeita pra mandar pro boy.

Aperta o play: 5 músicas pra virar fã de AlunaGeorge

Talvez você já tenha escutado falar deles, mas caso sua memória ande falhando, eles abriram o show da cantora Katy Perry na última edição do Rock in Rio (2015), encarando chuva e um público completamente novo e que não conhecia o trabalho deles. Eu mesma confesso que quando vi o nome na programação, desliguei a TV por nunca ter ouvido falar. Sorte que um amigo meu indicou depois e me apaixonei por eles. Agradeço até hoje!

Não tão populares pelo Brasil, os músicos que tem uma pegada eletrônica moderninha, possuem tem como referência o hip hop, R&B dos anos 90 e house, Aluna tem uma voz suave, mas sem ser chata. Já George, é o responsável pela parte instrumental.

A dupla londrina, Aluna Francis e George Reid, foi criada em 2009 e até agora possui um disco (Body Music) com 14 faixas lançado há quase três anos e outros singles espalhados por ai – o último foi lançado mês passado! – e separei cinco músicas que são as que mais ouço. Então, aperta o play!

We are chosen

É de longe, a minha preferida deles, aquela que não canso de dar ouvir mil vezes seguidas, sabe? Mais uma pra lista de favoritas da vida, We are chosen, é daquelas músicas que a gente consegue dar uma viajada só com a voz quase infantil da Aluna.

You know you like it

Talvez essa seja a mais famosinha da dupla e uma das poucas com clipe oficial. Ótima pra ouvir enquanto malha. Além disso, tem várias versões. Boa também!

I’m in control

Eles lançaram esse single final de janeiro, em parceria com o cantor Popcaan e vai fazer parte do próximo álbum da dupla. Já ta no repeat!

Automatic

Em parceria com o produtor Zhu, “Automatic” foi lançada no mês de setembro de 2015 e daquelas feitas pra dançar, sabe?

Your drums, your love

Se eu fosse fazer uma lista com todas elas, certeza que estaria na última posição. Com uma pegada meio anos 90 – uma das referências musicais da dupla – a canção tem tudo pra grudar.

As músicas que estão debutando.

Fazendo as contas, já se passaram quinze anos desde que chegamos nos anos 2000, aquele ano bacanudo com um monte de coisa legal para se relembrar. Se assustou? Eu também. Mas vai se assustar mais ainda quando terminar de ler o post de hoje, que fala de seis músicas que bombaram naquele ano e que a gente não se deu conta disso

Lucky, Britney Spears

A eterna princesa do pop bombava nos anos 2000, fazia um pá de show – a maioria no playback, namorava o Justin Timberlake e emplacava um hit atrás do outro. Lucky é um desses. A música fala de uma garota chamada ‘Lucky’, que precisa estar sempre bonita e perfeita e ao contrário do que muito pensavam, era bem solitária. Qualquer semelhança com a vida da cantora, não era mera coincidência.

Man, I Feel like a woman, Shania Twain

Música daquelas que merecem ser ouvidas no máximo e no meio de uma estrada enquanto você dirige sem rumo. #meusonho. Ou com amigas em um momento liberte-se total. Shania, nessa época, figurava seus hits como uma Celine Dion classe B.

Você Chegou, Ls Jack

Banda bem sucessinho nos anos 2000, antes do vocalista Marcos Mena resolver ficar fitness com cirurgias que deram errado, eles tinham um sucesso atrás do outro, com trilha em algumas novelas. Essa música foi uma das primeiras deles (a primeira mesmo foi ‘Ohhhhh Caaaarlaaaa’) e é daquelas que você toma susto quando vê que já tem esse tempo todo

Balada do amor inabalável, Skank

Ficou bem conhecida por conta de ter feito parte da trilha da novela ‘Laços de Família’, do Manoel Carlos. A banda mineira já era famosa antes disso, mas essa música é tão delicinha de dançar e curtir…quem nunca mandou uma dessas na vida: ‘eu vou dizendo na sequência bem clichê, eu preciso de você’, não é?

Anna Julia, Los Hermanos

Antes de mais nada, queria falar que tenho um certo bode pela banda e essa é a única música que gosto deles, me julguem. LH estourou no cenário pop com essa canção que teve a atriz Mariana Ximenes (também em começo de carreira) como a mocinha do título que esnoba o boy a festa inteira, numa pegada bem anos 50/60

Amor, I love you, Tribalistas

Vai, confessa que você já suspirou pelos cantos com essa música. Eu também, eu também. O trio, formado por Marisa Montes, Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes, ainda presenteava os românticos de plantão com um poema declamado no meio da música.

#100: Anos 2000, eu vivi!

Pode parecer estranho – e de certa forma é – mas já tem quinze anos que os anos 2000 bateram à nossa porta. Clichê, mas parece ontem. Eu, que tinha quase 14 anos na época, começava uma nova fase: novo colégio, novas amizades que duram até hoje. Mas você lembra o que acontecia no mundo nessa época?

O atentado do 11/09 ainda não tinha acontecido e o único reality show era o “No Limite”, aquele programa que a gente tinha um certo nojinho, mas adorava a adrenalina, já que o BBB só apareceu nas nossas telas dois anos depois.

O que passava na nossa telinha no ano 2000: Nova fase da Malhação, começo da onda de Reality Show e uma das cenas mais emocionantes da história, em Laços de Família.

O que passava na nossa telinha no ano 2000: Nova fase da Malhação, começo da onda de Reality Show e uma das cenas mais emocionantes da história, em Laços de Família.

Ainda na nossa televisão, suspirávamos com o romance de Catarina e Petruchio, em “O Cravo e a Rosa” e sofríamos ao ver a Carolina Dieckmann chorar ao ficar careca na novela “Laços de Família”, uma das minhas preferidas do Maneco. Para os jovens, a nova Malhação começava a mudar seu formato: de academia com pessoas fitness, o retrato passou a ser o adolescente e a família.

Hoje em dia para escutar alguma música, basta conectar ou no Spotify ou na ITunes. Ou em uma playlist no Youtube. Mas nos anos 2000, ouvir boa música era sinônimo de: disc-man + inúmeras pilhas e uma caixa com seus CDs favoritos (poucos sabiam criar novos Cds). Ah, e para descobrir aquela música que você ouviu na rádio e queria saber quem cantava. Esquece, era um drama, pois muitas vezes… eles não falavam o nome muito menos quem cantou!

Para falar com alguém, hoje basta mandar um whatsapp. Ou até um SMS. Só que nos ano 2000, a nossa comunicação era feita por… telefone! Estranho, não é? Nos colégios, os papos rendiam pelos bilhetes trocados durante aquelas aulas super maçantes e que nós morríamos de medo que o professor acabasse pegando! #fail

Máquina fotográfica de filme, disc-man, celular que tinha o jogo da cobrinha: Quem nunca teve isso?

Máquina fotográfica de filme, disc-man, celular que tinha o jogo da cobrinha: Quem nunca teve isso?

Hoje, cada mergulho é um flash e em questão de segundos você consegue ver a foto tirada. Mas você lembra que para isso acontecer, precisava terminar o filme de 12, 24 ou 36 poses e ainda por cima torcer para que não queimasse ou a foto ficasse legal? As máquinas digitais foram ficar famosas só lá no final dos anos 2002 e era artigo de luxo. Em 2015, são poucos os celulares que não tem uma câmera digital.

E eles, aah, eles! Os celulares nos anos 2000. Aposto que o seu aparelho de hoje faz tudo: internet, tira foto, acessa conta, manda whatsapp, posta foto no instagram. Mas há 15 anos, o máximo que conseguíamos fazer era além de jogar o jogo da cobrinha, fazer ligações! E também era artigo de luxo. Estranho, né?

musicPor falar em música, você lembra quem bombava nas rádios nesse ano? Era a época que o pop adolescente se tornou beeem visado por conta das boys bands. Ou seja, Backstreet Boys, NSync, Five. Tinhamos também a princesinha do pop, Britney Spears, Christina Aguilera e as garotas do Spice Girls’. Dos artistas tupiniquins, a gente pode colocar nessa lista Sandy e Júnior, que estreavam um seriado e tinham um hit atrás do outro. A Wanessa (ex-Camargo) era outra artista que bombava na época.

Aquele momento vergonha ao perceber que você usou ao menos uma dessas coisas.

Aquele momento vergonha ao perceber que você usou ao menos uma dessas coisas.

E na moda? O que bombava há 15 anos? Aquele momento que você morre de vergonha alhia. Lembra não? Pra começar, aquelas gargantilhas trançadas, que eu, particularmente, achava um horror! Outra coisa que também fazia a cabeça da mulherada eram aquelas tatoos de strass. Perfeitinho para as adolescentes. Essa achava fofo, mas hoje, apenas não! Outra coisa que fazia a cabeça literalmente de nós, mulheres eram os lenços, que usávamos no melhor estilo piratinha. Nos pés, o que não podia faltar eram aqueles tamancos de borracha. Estabanada como sou, tive um só por motivos que torcia fácil o pé.

Rede social então, era utopia. Aliás, você se imaginava postando na web o lugar que estava, o que ia comer, o look do dia para todo mundo saber? Esquece. Para felicidade da nação, isso ainda não existia. O finado Orkut só apareceu uns quatro anos depois.

E você, qual a lembrança que tem desse ano?