Quatro filmes para comemorar o Dia da Mulher

foilme

Mulherada pode comemorar. Pode pedir massagem pro boy. Pode tomar aquela taça de vinho – mesmo sendo terça! Pode receber com um sorriso no rosto a flor dada no trabalho. Hoje, dia 8 de março, é conhecido como dia internacional da Mulher. Essa data surgiu lá pelos anos 1900 quando um incêndio provocou a morte de várias operárias. Então, para comemorar a data, que tal quatro filmes cujas as protagonistas são mulheres pra lá de determinadas?

Sex and the City

O longa, de 2008, é quase que uma continuação da série – que durou seis temporadas, de 1998 até 2004 – de mesmo nome e mesmas protas. Fala da vida de quatro amigas: Carrie, Samantha, Charlotte e Miranda. Elas moram em NY e são completamente cosmopolitas. Diferentes e mesmo assim bem unidas, as meninas vão levando a vida entre drinks, modas, família e emprego. É estrelado pela Sarah Jessica Parker, Kim Catrall, Kristin Davis, Cyntia Nixon e teve uma continuação em 2010.

Histórias Cruzadas

Um filme de arrepiar e de se envolver. Skeeter (Emma Stone) é uma jornalista branca dos anos 60 (imagina!) que quer mostrar pro mundo como as empregadas negras viviam no Mississipi em uma época completamente racista. Destaque para a linda and musa mor da Viola Davis no papel de Aibileen Clark. Ah, o longa é baseado em um livro de mesmo nome e foi lançado em 2011.

De pernas pro ar

Alice, feita por Ingrid Guimarães, é uma workholic (daquelas que só pensam em trabalho, sabe?) e que vê a sua vida virar do avesso quando é demitida e o marido pede divorcio. Ela então conhece a vizinha Marcela e as duas decidem virar sócias de uma loja de sex shop.

O diário de Bridget Jones

Claro que nessa lista não poderia faltar esse filme de 2001, um dos meus favoritos da vida. Bridget, uma mulher de trinta anos, decide no Ano Novo mudar de vida: parar de fumar e beber, emagrecer e encontrar um boy decente. Entre muitas confusões com a protagonista, é impossível não se identificar com pelo menos uma situação vivida por Bridget (Renée Zellweger). O terceiro tem estreia prevista para setembro desse ano.

Anúncios

Foi bom enquanto durou

Sou uma pessoa que gosta muito de séries, trocando as vezes novelas por elas. Já falei aqui as minhas preferidas do momento que são Revenge e Hart Of Dixie.  O grande problema é que tenho, as vezes, dedo podre para algumas séries. Não que elas sejam ruins. O lance todo é que.. elas acabam na primeira temporada. Uhum. E eu fico depressiva pois agarro um amor incondicional. Listei hoje, quatro séries que eu vi (ou comecei a ver) e que estou até hoje esperando a segunda, a terceira, a quarta temporada..

Reunion

"Vinte anos, seis amigos, um assassinato"

“Vinte anos, seis amigos, um assassinato”

A série, produzida pela FOX em 2005 (e exibida aqui pelo canal pago Warner e pelo SBT, ambos em 2006), contava a história de seis amigos ao longo dos vinte anos desde a formatura do colégio. Em 2006, um deles é assassinado e acontece uma investigação para descobrir o mistério. O legal é que a cada episódio é mostrado um ano, começando em 1986 e, teoricamente indo até 2006 com a revelação de quem tinha cometido o crime. Parte ruim? Por divergências, a FOX cancelou a série no nono episódio. Depois encomendou mais quatro (de 1995 até 1998), ficando disponível apenas no site. Aqui no Brasil, o SBT deu um final alternativo já que originalmente não teve um fim decente. Foi estrelada por Dave Annable (“Brothers & Sisters”), Sean Farris (“Dormindo fora de casa”) e Amanda Righetti (“The O.C). Eu lamentei muito quando soube que não ia ter nem terminar a primeira temporada, porque ela era realmente muito boa. Infelizmente, pelo não sucesso da série é bem difícil achar para fazer download na Web, tentei algumas vezes, sem sucesso.

Melrose Place

5001286_cUK7i

Pegando carona no sucesso do spin off, o ‘90210’, a emissora CW resolveu relançar Melrose Place, clássico dos anos 90. Durou só uma temporada, com 18 episódios no total. Eu, quando comecei a ver (vi apenas três episódios), já sabia que seria cancelada e larguei de mão. Mas tá na lista interminável daquelas que quero ver, sabe? O enredo é bem simples. Se passa em um condomínio de luxo, o Melrose, localizado em Los Angeles. Os moradores vivem situações que envolvem ambição, sexo e até assassinato. Trouxe, em participações especiais, personagens da série de origem, que durou bem mais do que essa, sete temporadas.

Privileged

Privileged_01

Mais uma para lista que me deixou profundamente triste quando soube que foi cancelada. O enredo é completamente teen, daqueles fofos que podemos ver com as amigas. Megan Smith (Joanna García), jornalista que sonha em conquistar o mundo através da profissão é demitida. Sem emprego e sem rumo, aceita ser tutora de duas adolescentes, netas da rica Laurel Limoges, rainha do mundo dos cosméticos, Rose (Lucy Hale, de PLL) e Sage. Ela ganha a vida que pediu a Deus: mora numa mansão, localizada em Palm Beach, tem uma suíte e um carro conversível só para ela. Megan então, tem a difícil tarefa de educar as jovens e conquista-las, tentando fazer a diferença na vida das duas. Durou apenas 18 episódios e foi ao ar entre 2008 e 2009.

The Carrie Diaries

Índice

Durou duas temporadas, mas tão curtinhas que podemos considerar que foi uma só. Em um total de 26 episódios, a série contava o que tinha acontecido com a famosa Carrie Bradshaw antes de Nova Iorque, antes dos sapatos, antes de Mr. Big, antes das amigas que a fizeram famosa. Pois antes de virar adulta, todo mundo é adolescente. E ainda é ambientada nos anos 80! Mais delícia, impossível. Mostra como era a vida de Carrie com 16 anos, a vida na escola, seus amores, o relacionamento com o pai e a irmã e os amigos. No começo da segunda temporada, ela conhece a Samantha, que viria a ser uma das suas melhores amigas. A série é baseada no livro de mesmo nome, da autora Candance Brushell. Quando fui procurar quando seria lançada a terceira temporada (pois o fim da segunda deixou ganchos para isso) e vi que não seria renovada, fiquei muito triste. Nunca vi “Sex and the City”, mas “TCD” terá um lugar especial no meu coração.