[Aperta o play] : #Tag 10 músicas

Revirando alguns canais no Youtube, achei a seguinte tag: ’20 músicas’. E achei engraçada ver o gosto musical da galera. Como não tenho canal, resolvi adaptar e criei a minha própria lista. Eu já queria há tempos responder algumas TAGs e achei o momento  bem propício. Dá o play!

– Que tá no repeat:
Not a bad thing – Justin Timberlake

Eu amo tanto essa música e ela me representa tanto que eu sou capaz de ouvir o dia todo, sem conseguir enjoar. Quem me apresentou ela foi uma amiga há uns dois anos e desde então virou meu xodó. O amor é tanto que mesmo já tendo uma música #1 pro meu livro, quando vi a letra dessa, não tive duvidas: vai entrar também.

– A que te tira da bad:
Stronger – Kelly Clarkson

Sabe música boa que você ouve naquele momento X da vida, se identifica e vira favoritinha sempre que rola um momento bad na vida e só de ouvir, você melhora? Pra mim, é Stronger, da Kelly Clarkson. E ela ta longe mesmo de ser uma das minhas cantoras preferidas. A letra diz tudo e oh, recomendo se você precisa de um up na vida.

What doesn’t kill you makes you stronger
Stand a little taller
Doesn’t mean I’m lonely when I’m alone
What doesn’t kill you makes a fighter
Footsteps even lighter
Doesn’t mean I’m over cause you’re gone

– Favorita da vida:
Here Without you – 3 Doors Down

Lembra lá em cima que eu falei que o livro que to escrevendo tem até trilha? E que tem a música que é carro chefe? Pronto, é essa a minha favorita da vida. Eu amo tanto essa canção do “3 Doors Down’. Não tenho muito o que falar, só ouvir!

– Torço nariz pra:
Roar – Katy Perry

Minha máxima é de que quando não gosto de uma coisa eu nem procuro perto de mim. E eu tenho um pequeno leve bode da Katy Perry, pronto falei. Até curto as músicas dela, mas não sei se pagaria para ver um show solo dela, por exemplo. Entre todas, a que acho mais chatinha é Roar.

– Favorita pra dançar:
Na Batida – Anitta

Eu amo funk e sou fã da Anitta – e que me perdoem os moralistas de plantão! – mas o som dela é bom demais. E é uma das minhas favoritas quando o assunto é dançar na night.

– Que te faz chorar:
Photograph – Ed Sheeran

Falei o quanto me emocionei quando eu vi “Como eu era antes de você”, não é? Acho que eu ainda não consegui absorver – mesmo já sabendo qual era o final! – e é só tocar essa canção que ta na trilha do filme e desato a chorar.

– A que representa um momento feliz:
Coração apertado – Thaeme e Thiago

Já falei outras vezes que eu associo muito lugares, fatos e pessoas com músicas. Sejam eles bons ou ruins. E quando pensei em uma música que representa um momento feliz, entre tantas, a primeira que me veio na cabeça foi essa, da dupla Thaeme e Thiago. Fui em um show deles no fim do ano passado e desde então tenho um carinho sempre que eu ouço essa música.

– Que você nunca vai esquecer
Aquela dos 30 – Sandy

Se você é no mínimo leitor do blog, já deu pra entender que a minha cantora favorita é a Sandy. Sou fã de ir e chorar no show, sim! E de todas cantadas por ela em mais de vinte anos de carreira, “Aquela dos 30” tem um gostinho especial: ela me representa e muito! Esse ano fiz trinta e desde que a San lançou essa canção, eu ficava contando os dias. Acho que faz parte das poucas músicas que nunca vou esquecer.

– Que você quer casar:
When I fall in love – Nat King Cole

Não sei quando eu decidi que essa seria A música do meu casamento – que está longe de rolar, diga-se de passagem! – mas eu sou tão apaixonada por ela e ela me traz uma paz tão grande que eu nem sei explicar.

– A que você canta bem alto:
Nada é por acaso- Sandy e Júnior

Claaaro que meus ídolos ad eternum iriam aparecer aqui. E, olha, foi difícil escolher a deles que eu gosto de cantar bem, bem alto! E essa faz parte do meu trio de músicas bem alto!

Anúncios

Reality shows não tão famosos

Preciso confessar aqui meu amor por reality shows. Criticado por muitos, por conta do seu estilo de expor a vida alheia. O fato é que independente do julgamentos de todos, há um leque enorme de variedades dos programas do tipo: de culinária, de modelos, de gente famosa, de desconhecido querendo ficar famoso. São muitas as opções! O meu último queridinho foi o “Power Couple Brasil”, que teve a sua final há quase um mês. O post de hoje é sobre eles, seis realitys mais diferentes que passaram na televisão nos últimos anos.

Power Couple Brasil

O favorito da vez é transmitido pela Record, todas as terças e foi baseado em um formato lá de Israel de mesmo nome. A ideia principal é reunir oito casais – um dos dois pelo menos é conhecido do público – em uma casa. Lá, eles tiveram que passar por dois tipos de desafios: homem/mulher e como casal e que pode testar a sintonia entre eles. A cada rodada, uma aposta de cada lado era feita. E os casais que ficassem por último e tivessem a menor quantidade de grana, estavam na DR. O restante votava na cara limpa em quem eles queriam pra ficar. Com provas bem inteligentes, conquistou um público bem fiel e arrisco a dizer que incomodou no ibope. Apresentado por ninguém menos do que Roberto Justus.

Acorrentados

Surgiu em 2002 – no boom de Reality Shows – Acorrentados fazia parte do programa Caldeirão do Huck, ou seja, era semanal. O esquema era simples: um rapaz deveria ficar acorrentado a seis moças durante seis dias. A eliminação acontecia por conta de afinidade até que sobrasse só uma garota. Ao todo, deve três edições e o formato era da Endemol.

The Hills

Uma mistura de seriado com Reality. É assim que “The Hills” pode ser considerado nas seis temporadas em que sobreviveu entre 2006 e 2010. Derivado de outro programa do tipo – Laguna Beach – mostrava a vida pós ensino médio Lauren Conrad e suas amigas na cidade de Los Angeles. A moça era considerada a antagonista do seu antecessor, Laguna Beach, mas fez tanto sucesso que acabou ganhando um reality pra chamar de seu. Com 102 episódios no total, ainda gerou mais três spin-off. Atualmente, LC é escritora.

A casa da Ana Hickmann

Mais um quadro dentro de um programa, dessa vez o extinto “Tudo é Possível”. Comandado pela Ana Hickmann e gravado dentro da casa dela, com dez participantes cujo prêmio era uma vaga de repórter. Teve só uma edição. Posteriormente, outro quadro foi gravado no mesmo estilo. Dessa vez, pra escolher o novo rosto da sua marca.

Quebrando a rotina

Mais um quadro com ares de Reality Show! Também dentro do Caldeirão do Huck, teve duas edições, em 2004. A primeira com a dupla Sandy e Júnior, Luciano viajou por uma semana a bordo de um trailler – pelas cidades históricas de Minas Gerais – e foi exibido em cinco episódios. Resultou na canção “Vida de Marola”, composta pelos três. Já na segunda temporada, que teve quatro episódios, os escolhidos foram Felipe Dylon e Wanessa Camargo. A bordo de um iate, os cantores percoram os litorais do Rio de Janeiro e São Paulo. Assim como na primeira temporada, rolou uma canção composta pelos dois, “Amor de Praia”.

Troca de família

Talvez o mais ‘normal’ de todos e era transmitido pela Rede Record, durou cinco temporadas entre 2006 e 2011. Duas famílias, completamente diferentes de todas, é a versão brazuca de “Tranding Spouses”, da Fox. Duas mães trocavam de casa durante uma semana. Ao final, teriam que decidir como a outra família o prêmio de R$ 25 mil em forma de carta.

Turnê Meu Canto: eu fui!

Quem já me conhece, pode perceber o quanto eu sou fã da cantora Sandy Leah. Ano passado eu contei aqui a minha aventura na plateia do programa SuperStar em que ela é jurada. E, no último sábado, lá fui eu conferir a nova turnê dela, intitulado ‘Meu Canto’. Esse nome, segundo a propria Sandy, tem dois significados: o seu amor por cantar e mostrar ao seu público um pouco mais dela.

Diferente das outras apresentações que eu fui, resolvi escolher um lugar lá atrás. Queria ver o show por completo, ter uma visão total do palco, sem o murmurinho dos fãs mais eufóricos. E dessa vez consegui ver uma Sandy mais madura e segura no palco, com composições que mostram o seu melhor momento.

A apresentação em solos cariocas da cantora , trouxe uma surpresa: o making off do seu DVD que conta com duas participações pra lá de especiais: Gilberto Gil, em “Olhos Meus” e Tiago Iorc, com uma música inédita ‘Me Espera‘. Essa última, aliás, foi escolhida por Sandy para ser o carro chefe nesse seu novo trabalho e é deliciosa de se ouvir.

O show começa com a música “Sim“, seguida pela minha favorita e a que mais vibrei, confesso: “Aquela dos 30“. Sandy então vai embalando seus fãs com um sucesso atrás do outro dessa sua fase solo. Com quatro canções inéditas – “Respirar“, “Salto“, “Colidiu” e “Me Espera” – ela vai contando como foi o processo de criação de cada uma.

Além disso, Sandy faz duas homenagens: ao cantor Nando Reis com a canção “All Star” e ao seu avô, cantando “Canção para Luciana“. E, é claro aos seus fãs desde o tempo com o seu irmão Júnior, e as escolhidas da vez foram ‘Nada é por acaso’ e ‘Desperdiçou’. E é nesse momento que os fãs digamos mais eufóricos, correm para mais perto do palco. Lembra no começo do texto que escolhi uma mesa lá atrás? Por isso. Mas, como boa fã dela, foi impossível não me levantar e começar a dançar ali mesmo, no meu lugar.

Sai de lá com a alma mais leve, rouca, olhos inchados de tanto chorar e a certeza que o meu amor e admiração por ela só aumentam! E você, tem algum ídolo ?

Créditos das fotos: Google e Instagram da Sandy

#100: Anos 2000, eu vivi!

Pode parecer estranho – e de certa forma é – mas já tem quinze anos que os anos 2000 bateram à nossa porta. Clichê, mas parece ontem. Eu, que tinha quase 14 anos na época, começava uma nova fase: novo colégio, novas amizades que duram até hoje. Mas você lembra o que acontecia no mundo nessa época?

O atentado do 11/09 ainda não tinha acontecido e o único reality show era o “No Limite”, aquele programa que a gente tinha um certo nojinho, mas adorava a adrenalina, já que o BBB só apareceu nas nossas telas dois anos depois.

O que passava na nossa telinha no ano 2000: Nova fase da Malhação, começo da onda de Reality Show e uma das cenas mais emocionantes da história, em Laços de Família.

O que passava na nossa telinha no ano 2000: Nova fase da Malhação, começo da onda de Reality Show e uma das cenas mais emocionantes da história, em Laços de Família.

Ainda na nossa televisão, suspirávamos com o romance de Catarina e Petruchio, em “O Cravo e a Rosa” e sofríamos ao ver a Carolina Dieckmann chorar ao ficar careca na novela “Laços de Família”, uma das minhas preferidas do Maneco. Para os jovens, a nova Malhação começava a mudar seu formato: de academia com pessoas fitness, o retrato passou a ser o adolescente e a família.

Hoje em dia para escutar alguma música, basta conectar ou no Spotify ou na ITunes. Ou em uma playlist no Youtube. Mas nos anos 2000, ouvir boa música era sinônimo de: disc-man + inúmeras pilhas e uma caixa com seus CDs favoritos (poucos sabiam criar novos Cds). Ah, e para descobrir aquela música que você ouviu na rádio e queria saber quem cantava. Esquece, era um drama, pois muitas vezes… eles não falavam o nome muito menos quem cantou!

Para falar com alguém, hoje basta mandar um whatsapp. Ou até um SMS. Só que nos ano 2000, a nossa comunicação era feita por… telefone! Estranho, não é? Nos colégios, os papos rendiam pelos bilhetes trocados durante aquelas aulas super maçantes e que nós morríamos de medo que o professor acabasse pegando! #fail

Máquina fotográfica de filme, disc-man, celular que tinha o jogo da cobrinha: Quem nunca teve isso?

Máquina fotográfica de filme, disc-man, celular que tinha o jogo da cobrinha: Quem nunca teve isso?

Hoje, cada mergulho é um flash e em questão de segundos você consegue ver a foto tirada. Mas você lembra que para isso acontecer, precisava terminar o filme de 12, 24 ou 36 poses e ainda por cima torcer para que não queimasse ou a foto ficasse legal? As máquinas digitais foram ficar famosas só lá no final dos anos 2002 e era artigo de luxo. Em 2015, são poucos os celulares que não tem uma câmera digital.

E eles, aah, eles! Os celulares nos anos 2000. Aposto que o seu aparelho de hoje faz tudo: internet, tira foto, acessa conta, manda whatsapp, posta foto no instagram. Mas há 15 anos, o máximo que conseguíamos fazer era além de jogar o jogo da cobrinha, fazer ligações! E também era artigo de luxo. Estranho, né?

musicPor falar em música, você lembra quem bombava nas rádios nesse ano? Era a época que o pop adolescente se tornou beeem visado por conta das boys bands. Ou seja, Backstreet Boys, NSync, Five. Tinhamos também a princesinha do pop, Britney Spears, Christina Aguilera e as garotas do Spice Girls’. Dos artistas tupiniquins, a gente pode colocar nessa lista Sandy e Júnior, que estreavam um seriado e tinham um hit atrás do outro. A Wanessa (ex-Camargo) era outra artista que bombava na época.

Aquele momento vergonha ao perceber que você usou ao menos uma dessas coisas.

Aquele momento vergonha ao perceber que você usou ao menos uma dessas coisas.

E na moda? O que bombava há 15 anos? Aquele momento que você morre de vergonha alhia. Lembra não? Pra começar, aquelas gargantilhas trançadas, que eu, particularmente, achava um horror! Outra coisa que também fazia a cabeça da mulherada eram aquelas tatoos de strass. Perfeitinho para as adolescentes. Essa achava fofo, mas hoje, apenas não! Outra coisa que fazia a cabeça literalmente de nós, mulheres eram os lenços, que usávamos no melhor estilo piratinha. Nos pés, o que não podia faltar eram aqueles tamancos de borracha. Estabanada como sou, tive um só por motivos que torcia fácil o pé.

Rede social então, era utopia. Aliás, você se imaginava postando na web o lugar que estava, o que ia comer, o look do dia para todo mundo saber? Esquece. Para felicidade da nação, isso ainda não existia. O finado Orkut só apareceu uns quatro anos depois.

E você, qual a lembrança que tem desse ano?