Os remakes mais legais

Na última semana, foi revelado o nome do ator que irá interpretar o lendário Johnny, imortalizado no longa ‘Dirty Dancing’, em uma refilmagem para a televisão. O casal protagonista será interpetado por Abigail Breslin (Pequena Miss Sunshine) e Colt Prattes.  Mas esse não é o primeiro filme que ganhou uma nova versão.

Footloose

Dessa lista, é o único que vi as duas versões e posso dizer que AMEI ambas por um simples motivo: elas são iguais (o que não necessariamente é uma condição, vai) em to-das as cenas. Claro que no filme de 2011 (o outro é de 1984) conseguimos lidar com situações atuais, como celulares e internet.  Ren (Kevin Bacon/Kenny Wormald) é um rapaz que vai morar com a tia em uma cidade do interior após a morte da sua mãe. Acontece que por causa de um acidente que vitimou o filho do pastor e de mais alguns jovens, a dança foi completamente proibida por lá. O rapaz então resolve organizar o baile de formatura, com claro, muita dança. Destaque para a jovem Sarah Jessica Parker, no começo da carreira. Muito antes de NY, claro. A cena épica é a do fim, com a coreografia imitada por muitos nos anos 80.

Amor sem fim

Alex e Gabriella, na versão 2014

A primeira versão foi estrelada em 1982 por Broke Shields (aquela de ‘A Lagoa Azul’, lembram?) e a segunda por Alex Pettyfeer e Gabriella Wilde em 2014. A história, daquelas bem água com açúcar, fala do relacionamento entre dois adolescentes de classes sociais diferentes. Ela, uma menina rica cujo destino foi traçado pelo pai e ele, rapaz pobre que nem sabe se vai para faculdade. Só vi o remake, então não consigo falar se conseguiu ser fiel ao original.

Carrie, a estranha

Versão 2014

Não sou fã de filmes de terror. Mas dei uma chance à Carrie de 1974. A nova versão, ainda não assisti, mas um dia vai. Baseado no livro escrito por Stephen King (entendeu os motivos de ter sido tão famoso?), a história fala sobre Carrie, uma adolescente que é completamente dominada por sua mãe e vive no seu mundo. Por conta disso, é motivo de chacota dos seus colegas de escola. O que eles não sabem é que a garota esconde um terrível segredo. Em um baile do colégio, alguns adolescentes armam um plano de envergonhar a garota. Ela, para se vingar, causa um incêndio no salão matando a todos.  Em 1999, uma continuação foi feita, com a meia irmã da Carrie.

Robocop

Em um futuro não tão longe, para combater a violência, a polícia americana cria um protótipo de um robô. Porém, para isso, é necessário partes de um corpo humano. A versão de 2014 foi dirigida por José Padilha. Dessa vez, não vi nenhuma versão (a primeira é de 1987)

Lagoa Azul

As protas nas duas versões

De todos, acredito que seja o único cuja historia seja diferente do original. Na versão de 2012, dois adolescentes caem de um barco e vão parar em uma ilha deserta onde passam seis meses. Lá se apaixonam e se descobrem, tal qual o filme de 1980. Ah, o ator Christopher Atkins que viveu o protagonista na primeira versão faz uma participação como o professor da escola.

Anúncios

#Top5: trilhas sonoras – especial Dia dos Namorados

“L’amour”! Quer coisa melhor do que estar apaixonado? Ah, é estar apaixonado e ter aquela trilha sonora mais que especial! Ou vai me dizer que nunca suspirou por ninguém ouvindo AQUELA música especial? Nesse post #3, vamos falar das canções que tocaram na hora do beijo do casal. Confere só dando o play!

 I’ve had the time of my life – Dirty Dancing

Impossível não querer ser ótima na dança quando ouvimos essa música. A canção, que embalou uma das últimas cenas do clássico dos anos 80, Dirty Dancing, estrelado por Patrick Swayze e pela Jennifer Grey,é uma das músicas mais pedidas quando o assunto é primeira dança de casados. Meu sonho é um dia conseguir aprender a coreo!

Your Song – Moulin Rouge

Não sou muito fã de filmes musicais, tenho um certo preconceito, confesso! Mas como eu amo essa música, impossível dela não aparecer aqui. O longa conta a história de Satine (Nicole Kidman), uma prostituta que acaba se apaixonando por um cliente (Ewan McGregor), mas ela é proibida de viver esse amor por conta do seu algoz

Unchained Melody – Ghost

Impossível não pensar no filme sem essa música. Um dos filmes mais românticos na minha opinião, a canção embala os protagonistas (vivido por Patrick Swayze – ele de novo! e Demi Moore) na clássica cena em que o fantasminha camarada dança com a amada. Caixa de lenço na mão, ok?

She – Um lugar chamado Nothing Hill

Particularmente, não curto muito esse filme (acho que só vi uma vez!), já a música… imortalizada por dois cantores maras: o francês Charles Asnavour e o Elvis Costello (e é a versão dele que tá no filme!) – é tema do casal Hugh Grant e Julia Roberts. Ele é dono de uma livraria (Will) e ela é uma atriz (Anna). Fico emocionada sempre que ouço essa música. Sempre!

Out of Reach – O diário de Bridget Jones

Esse é um dos meus filmes preferidos da VIDA! Uhum. Sabe aquele filme que você se vê do começo ao fim? Então, é esse. Bridget é uma mulher solteira de 30 e alguns e que não namora há algum tempo. Ela se envolve com um cafa (#quemnunca?) e não percebe que o vizinho and amigo de infância é um cara legal e a curte demais. Quer semelhança melhor? Pausa pra trilha dela levando um fora do cara, assim que descobre que o boy magya (Colin Firth) vai casar. Eu sofro nessa parte SEMPRE.

#Top7: filmes – especial dia dos namorados

Quem não lembra que ano passado dia 12 de junho caiu justamente na abertura da Copa do Mundo, minando qualquer tipo de comemoração da data? Pois bem, para alivio da galera comprometida, esse ano não existe nenhum evento futebolístico e ainda cai em uma sexta feira! Se seus planos são os de se enroscar com o guapo debaixo do edredom nesse quase inverno, confira essa lista de sete filmes pra aproveitar a data a dois.

Amor sem fim

Aquela história bem clichê: garoto pobre se apaixonada pela menina rica e o pai é contra pois acha que ela merece coisa muito melhor. Vi esse filme na televisão semana passada e confesso, achei mais do mesmo. Romântico pra valer, mas esperava mais ação e emoção. Estrelado pelo lindo Alex Pettyfer, como David e Gabriela Wilde como Jade. Ah, o longa é uma refilmagem de um clássico dos anos 80.

Ghost

Jogue o primeiro lencinho de papel quem nunca se emocionou com esse Ghost!! A história fala do meu muso mor Patrick Swayze, que é assassinado a mando do seu melhor – e bem invejoso – amigo, que pensava que ele tivesse descoberto o roubo na empresa que trabalhavam. Como ele se preocupa com Molly (Demi Moore) pede ajuda a uma vidente Oma Mae (Whoopi Gooldberg) que tente convencer que a namorada corre perigo.

Diário de uma paixão

Outro clássico do cinema! Inspirado no livro de mesmo nome do autor “Nicholas Sparks”, o longa conta a história de amor de Noah (Ryan Goslling) e Allie (Rachel McAdans). Novamente, ela menina rica, ele o pobretão. Se apaixonam e por conta de intriga da mãe, se separam. Nas vésperas do seu casamento, Allie volta para a cidade que conheceu o amado, o reencontra e desiste de tudo. O mais emocionante é que a história é narrada por um senhor para sua companheira de asilo que depois descobrimos que é o Noah, que conta diariamente para a sua esposa que sofre de Alzheimer.

Cidade dos Anjos

Filme para desidratar, fato! Sam, papel de Nicolas Cage é um anjo cuja missão é confortaras pessoas na hora da sua morte, se apaixona pela médica e humana Maggie (Meg Ryan). O anjo tem um dilema: trocar a eternidade por uma vida ao lado da amada ou deixar pra lá. Demorei anoooos pra ver e quando terminou estava sem forças para pensar. Destaque para música tema: ‘In the arms of the angel’, da Sarah McLachlan que é de suspirar.

Amor para recordar

Outro filme que teve inspiração do livro do Sparks. O jovem rebelde Landon (Shane West) após uma brincadeira de mau gosto no colégio, é obrigado a pagar seu castigo ajudando na produção de uma peça de teatro de fim de ano que também é feito pela certinha e bela Jamie (Mandy Moore), filha do pastor da cidade. Eles, tão diferentes, se apaixonam, mas ele descobre que ela tá com uma doença incurável e resolve realizar todos os sonhos e vontades dela. Um dos poucos casos em que o filme se mantem bastante fiel ao livro.

Um dia

Mais um da série: ‘era livro, virou filme’. Emma (Anne Hathaway) e Dexter (Jim Sturgess) se conhecem nos seus últimos dias da faculdade e viram grandes amigos. Mesmo sem terem nada, sempre rola um clima entre os dois. Depois de formados, cada um vai para um lado, mas mantem o contato. A história vai mostrando o dia 15 de julho na vida dos dois a cada ano. O final é meio bobo, mas é de chorar horrores. E sim, eu preferi o livro do que o filme.

Antes que termine o dia

Samantha (Jeniffer Love Hewitt) é uma professora de música que namora Ian (Paul Nichols). Com vidas bastante diferentes, o casal já caiu na mesmice e Samantha está cansada do relacionamento. Depois de um dia estressante, Ian resolve levar a amada para um jantar, porém eles discutem e um acidente ocorre com o falecimento de Sam. O cara percebe que ama a mulher, e arrependido, vai pra casa. Quando acorda, percebe que está vivendo o dia anterior e resolve então se dedicar a esse amor. Pausa. Vi esse filme sem pretensão e no final precisei de um balde. Uhum. Sério.