#TemQueLer: “O Casamento”

Cansei de comentar aqui o quanto o Nicholas Sparks é meu autor favorito, não é? Mesmo ele me decepcionando com os seus últimos lançamentos, existem alguns livros que eu tenho um carinho todo especial. E um deles é ‘O Casamento’ e que tem um dos finais mais surpreendentes.

Para quem não sabe, esse é basicamente a continuação de “O Diário de uma Paixão”, talvez o mais conhecido do Sparks. Os protagonistas da vez são Wilson e Jane, ela filha do famoso e adorado casal Noah e Allie.


Sinopse: Após quase 30 anos de casamento, Wilson Lewis é obrigado a encarar uma dolorosa verdade: sua esposa, Jane, parece ter deixado de amá-lo, e ele é o único culpado disso.

Viciado em trabalho, Wilson costumava passar mais tempo no escritório do que com a família. Além disso, nunca conseguiu ser romântico como o sogro era com a própria mulher. A história de amor dos pais de Jane, contada em Diário de uma paixão, sempre foi um exemplo para os filhos de como um casamento deveria ser.

Diante da incapacidade do marido de expressar suas emoções, Jane começa a duvidar de que tenha feito a escolha certa ao se casar com ele. Wilson, porém, sente que seu amor pela esposa só cresceu ao longo dos anos. Agora que seu relacionamento está ameaçado, ele vai fazer o que for necessário para se tornar o homem que Jane sempre desejou que ele fosse.

Editora: Arqueiro

Autor: Nicholas Sparks

Páginas: 224

Ano: 2003


Wilson percebe que a sua relação está falida quando ele esquece o vigésimo nono aniversário de casamento. E, advinha para quem ele vai pedir conselhos? Para o próprio Noah, é claro! A essa altura, Allie já faleceu e ele vive em uma casa de repouso esperando a sua vez.

O idoso sabiamente o aconselha a reconquistar a esposa, como da primeira vez. O advogado decide reformar a casa dos pais de Jane, um dos lugares preferidos da esposa durante aquele próximo ano.

“Eu tinha começado a me perguntar não apenas se Jane me amava, como também se ela queria me amar” (página 144)

É então que a filha Anna – eles tem mais dois: Joseph e Leslie – e resolve casar justamente no dia do aniversário de 30 anos dos seus pais. Bom, contar mais iria estragar o enredo que, confesso, me surpreendeu bastante.

Terminei o livro com uma sensação de surpresa total e não, não foi clichê. Ao contrário, achei de uma sutileza tão pura e tão suave. E, para quem já leu quase todos os livros do Sparks, entrego aqui: ele nunca me surpreendeu tanto, de verdade. Eu posso dizer que ele encabeça meus Top #3 de favoritos do autor.

Anúncios

[Resenha]: A Escolha

foilme

Apesar de achar que ultimamente as histórias feitas pelo Nicholas Sparks andam repetitivas demais, eu sempre quero ver quando adaptam um livro dele pras telonas. Mês passado, eu dei o play no filme “A Escolha”.

Quando li o livro, eu torci o nariz pra história. Achei bem chata e monótono e assumo que fiquei meio em dúvida quando vi que ele se tornaria filme. Mas, posso falar? A história me surpreendeu bem positivamente, de um modo que nunca aconteceu nas adaptações do autor.

Travis (Benjamim Walker) é o típico mulherengo. Solteiro, não quer saber de compromisso. Mora sozinho e é filho do veterinário da cidade e seguiu a profissão do pai, porém encontra resistência da população pra aceita-lo como substituto. Gabriela, ou Gabby, é uma médica – interpretada pela Teresa Palmer – recém formada que veio fazer a sua residência em Beaufort, Carolina do Norte.

Ela se torna vizinha de Travis, por quem no começo torce o nariz por achar que ele é um bonvivant e logo precisa interagir, já que ela acha que o cachorro dele engravidou a sua cadela. E é ai que eles se envolvem e se apaixonam. Porém, com toda história escrita pelo Sparks, claro que no meio do caminho uma tragédia acontece. Atenção, o próximo parágrafo contém spoiller!

Sete anos depois, Travis e Gabby já são casados, tem um casal de filhos e a vida é aparentemente perfeita. Mas o casamento ta em crise por conta das constantes ausências de Travis por causa do trabalho, já que ele assumiu a clinica do pai. Em uma noite em que finalmente eles combinam de jantar fora, o veterinário se atrasa e Gabby ,triste, volta para casa sozinha. E é ai que um acidente acontece e ela fica em coma.

E é ai que conseguimos entender o título do filme: A Escolha. Quase três meses depois do acidente, Gabby ainda está desacordada e as chances dela sobreviver são quase nulas, pra desespero de Travis. E ele precisa fazer uma escolha: deixá-la ir pra sempre ou lutar por ela.

Quando li o livro e já meio calejada pelos finais bem tristes que o Sparks reserva em todas as suas publicações.  Mas ele veio e me surpreendeu. PAUSA PARA: O ex namorado de Gabby é nada mais, nada menos, Tom Welling, o eterno Superman de Smalville. E você, já viu o filme ou leu o livro? O que achou da história?

#TemQueLer: Os meus preferidos!

livro

Sou uma pessoa completamente viciada em livros. Quer fazer os meus olhinhos brilharem? Me colocarem em uma livraria ou até me dando algum exemplar. Mas, é claro que eu tenho os meus preferidos da vida. Aqueles que eu já li e que tem um lugar pra lá de especial no meu coração. Por isso o #TemQueLer de hoje é especial. Vou falar dos meus cinco livros mais queridos de sempre

Casório – Marian Keyes

A Marian é a minha autora favorita! Já li quase todos os livros dela. E, entre todos, ‘Casório’ é aquele especial. Lucy Sullivan tem vinte e seis anos e a vida amorosa dela é uma desgraça. Mas então ela vai a uma cartomante que diz que ela vai se casar em breve. O único problema é que ela nem namorado tem. A nossa protagonista ainda divide o apê com mais duas amigas. E eis, que em uma festa ela conhece Gus e se apaixona de cara. Pra Lucy, ele é o princípe encantado. Só que o tempo vai passando e ele se transforma em sapo.

Um amor para recordar – Nicholas Sparks

Os livros do Sparks são conhecidos por virarem filmes. E não sei o motivo, eles sempre conseguem fazer uma história completamente diferente da original. Em “Um amor para recordar” os dois seguem mais ou menos a mesma linha de raciocínio. Landon Carter, o menino rebelde e irresponsável, com seus 17 anos, precisa fazer um trabalho comunitário com a certinha Jamie Sullivan depois de aprontar no colégio. Os opostos se atraem e eles acabam se apaixonando. Vai dar certo? Eu terminei esse livro chorando e muito. E quando vi o filme chorei de novo.

Simplesmente Acontece – Cecelia Ahern

Pra mim um dos livros mais lindos que já li. E mais reais. Daqueles que acontecem com você ou com a vizinha. Inclusive, ele já figurou no #TemQueLer, ano passado. E também já virou filme. Alex e Rosie são melhores amigos e grudados desde os cinco anos, quando se conhecem na escola. Quando se formam, a vida de ambos torna rumos diferentes e mesmo assim, a amizade não se deixa abalar. Em países ou momentos diferentes da vida, os protagonistas estão sempre participando de um modo ou de outro. Parte legal? Tudo é narrado através de cartas, mensagens, emails ou SMS.

O segredo de Emma Corrigan – Sophie Kinsella

Se tem uma característica bem forte das mocinhas da Kinsella é que todas são engraçadas. Quando você começa um livro dela, eu já te falo que a risada é certa. Aqui, Emma Corrigan é uma mulher de quase 30 que ao voltar de uma viagem a negócios passa por uma turbulência no voo e fala todos os segredos para o estranho ao seu lado. O que ela não conta é que esse rapaz é seu novo chefe. Agora, a protagonista fica nas mãos do cara e além disso ele é … hum, lindo demais. Emma fica desesperada e comete uma atrapalhada atrás da outra. Vale a leitura, os risos são certos.

Um coração em guerra – Li Mendi

Imagina uma pessoa querida e atenciosa. Essa é a Li Mendi, autora de vários livros e e-books. Tão fofa que me concedeu uma entrevista quando fiz o primeiro mês do nosso blog. Gostei tanto desse livro dela, que quando resolvi escrever meu próprio livro (não sabia? Tem o primeiro e segundo capítulo postados aqui!), o nome do personagem é o mesmo: Caio. Ele e Isabella, são melhores amigos de colégio. Ela, toda patricinha e a pop. Já Caio é roqueiro e tímido. Tudo muda quando Bella descobre que seu então amigo passou para uma prova e vai morar longe. O sentimento dela muda e assim, muita coisa acontece. Já li umas três vezes e sempre me emociono. Ainda não existe livro físico, só na versão digital. Mas posso garantir que vale a pena.

5 filmes para ver com o seu pai

No próximo domingo a gente comemorar o Dia dos Pais, não é? Tudo começou quando uma filha resolveu homenagear seu pai que era viúvo e cuidava de tudo e escolheu o dia do seu aniversário, isso lá nos Estados Unidos. Já aqui no Brasil, a celebração foi importada em 1953 quando o publicitário Sylvio Bhering, no dia 14 de agosto, que é o dia de São Joaquim, patriarca da família. A partir de então, foi escolhido todo segundo domingo de agosto para festejar.

Eu separei cinco filmes, cujo personagem principal é essa figura masculina tão importante na nossa vida. Então, que tal reunir o velho no dia de hoje para curtirem o dia juntos?

O paizão

Adam Sandler é Sonny, um adulto para lá de irresponsável. Seus amigos estão casando e tomando rumos na vida e ele.. nada. Depois de mais um relacionamento fracassado, ele resolve adotar então o pequeno Julian, de 5 anos e que apareceu de repente à sua porta. O problema é que ele não tem nenhuma experiência no assunto e decide que vai educar o garoto ao seu modo. Pasmem, mas o filme tem quase 16 anos.

Procurando Nemo

Nessa animação da Pixar em parceria com a Disney, conta a relação do viúvo peixe-palhaço Marlin com seu filho, Nemo. Pelo fato de ter perdido a esposa enquanto Nemo era apenas um ovo, ele vira super protetor. No seu primeiro dia de aula, após o pai envergonha-lo na frente de toda a turma, Nemo resolve nadar pro mar aberto. Começa então a caçada desesperada desse pai, que no meio do caminho encontra uma amiga, a doce Dory.

Uma Babá quase perfeita

Uma-Babá-Quase-PerfeitaAno passado, fiz um post sobre filmes dos anos 90 e, claro, que esse não podia faltar, estrelado pelo querido Robin Williams. Ele é Daniel, ator e recém separado. Como não quer ficar longe dos filhos, se disfarça de babá para passar o dia com eles.

A última música

É protagonizado pela eterna Hannah Montana, a Miley Cyrus, no papel de Rory Miller que por imposição da mãe tem que passar as suas férias de verão com seu pai, Stevie, que não vê há alguns anos. O que ela não espera é o que vai mudar nessa relação entre os dois. Mais um dos livros do Nicholas Sparks e que viraram filme – e, na minha opinião, uma das melhores publicações dele. E que eu chorava litros a cada capítulo. Separa o lenço.

O Rei Leão

Atire a primeira pedra quem nun-ca chorou com a morte do Mufasa, aos olhos do filho, Simba por ordem do seu invejoso tio Scar. O filhote, então, foge pois acredita que é o culpado pelo acidente com seu pai e encontra os hilários Timão e Pumba, que acabam criando o filhote. Algum tempo depois, Simba volta ao seu reino e tem que enfrentar o seu tio.

Eu vi: “O melhor de mim”.

Que sou fã do Nicholas Sparks isso não é novidade aqui no blog, não é? Já falei dele várias e várias vezes. Em outubro do ano passado, até escrevi aqui quando ele estava para estrear nos cinemas mais uma adaptação de um dos seus filmes, o longa “O Melhor de mim”

Protagonistas na fase adulta

Bom, para terminar meu findi, resolvi dar o play e finalmente assistir ao filme. Já digo logo: prepare seus lencinhos, dá pra chorar sim. E muito! E atenção, o post contêm spoiller. Como eu tenho o pé atrás das adaptações para a telona, já que eles insistem em cortar e mudar muita coisa, dessa vez já estava preparada para o que desse e viesse.

A história central é de amor, claro e conta sobre o reencontro vinte e um anos depois de Amanda e Dawnson. Eles que foram namorados na adolescência, por um acidente acabam se separando e cada um segue seu rumo. Após tantos anos afastados, eles tem que se rever no funeral de um grande amigo, Tucker.

Durante alguns dias, eles relembram o passado e todo o amor que tinham um pelo outro. Porém, Amanda é casada e mesmo o seu relacionamento tendo acabado há muito tempo, fica com medo de largar tudo e Dawnson realmente entende. Como tudo nas histórias do Sparks é um drama só, a vida dos dois acaba novamente se desencontrando e cada um segue seu rumo novamente. Dessa vez para sempre.

Eu me emocionei muito com o filme, tinha lido o livro já tem um bom tempo e na época quando terminei, percebi que desde ‘O casamento’ não me emocionava com uma publicação do Nicholas Sparks. O filme é bem fiel ao livro – graças a Deus!! – e quando termina dá aquele aperto no peito e a famosa pergunta: ‘Sério que isso aconteceu?’. Já ouvi quem tivesse achado chato, eu adorei e recomendo para quem curte uma boa história de amor.

O longa é estrelado por por James Marsden e Michelle Monaghan (Dawnson e Amanda na fase adulta) e Luke Bracey e Liana Liberato, os protagonistas na adolescência.

Livros de Sparks que viraram filmes

Mês que vem mais um livro do renomado autor Nicholas Sparks chega nas telonas. O escolhido dessa vez é o “Uma longa jornada” e tem como protagonistas: Britt Robertson e Scott Eastwood. Não é a primeira vez que um livro dele foi adaptado, né? Eu mesma já falei do lançamento em um outro post.  Apesar de nunca levarem a sério a história dos livros, o fato é que o cara é um dos campeões em adaptar suas publicações para os cinemas. Listei aqui aqueles que já foram parar nas grandes telas.

#1 – Diários de uma paixão (2004): diário

Foi o único que não li o livro (ainda) e provavelmente por isso que curti muito e é um dos meus preferidos. Estrelado pela Rachel McAdams e Ryan Gosling. Eles se conhecem ainda jovens, durante a Segunda Guerra Mundial. Mas, por serem de classes sociais diferentes, a família dela é contra o relacionamento deles. Anos se passam e Allie está prestes a se casar, mas ainda não se esqueceu de Noah e volta para a cidade e o reencontra. Anos mais tarde, o já velho Noah conta todos os dias conta a história deles para a sua esposa que sofre de Alzheimer. O lado bom é que o livro tem continuação (O Casamento), só não sei se há planos que vire filme. Merecia!

#2 – Noites de Tormenta (2008):

noites-tormenta-03g

Ao contrário do “Diário”, foi o único dos filmes dele que ainda não vi. Motivos? Não curti nadinha do livro, tá lá em último na minha lista de preferências das publicações do Sparks. Achei bem chato e arrastado. Não me emocionei no filme. O longa conta a história de Adrienne  e o dr. Paul. Ela, busca refúgio numa pousada de uma amiga para fugir do caos. Ele aparece por lá no meio de uma viagem procurando abrigo por causa de uma tempestade.  Foi estrelado por Richard Gere e Diane Lane.

#3 – A última música (2010) :
a-ultima-musica-filme-cinema

De longe, um dos meus livros preferidos do Sparks. Só que veio a Hannah Montana e estragou a história linda, uma das mais fofas que já li e que me fez chorar. Ronnie, personagem da Miley Cyrus, é obrigada a passar o verão com seu pai (Greg Kinnear) que não via há anos junto com seu irmão mais novo em uma cidade litorânea no sul dos Estados Unidos. Contrariada, a adolescente problemática não conta com as surpresas que esses meses lhe trarão. Juro que não tenho birra contra a Cyrus, só que ela não passou a emoção necessária para a personagem enquanto no livro eu chorava litros nos capítulos finais.  Menção honrosa para a música “Climb”, que sim, eu curti.

#4 – Querido John (2010):

querido-john

Primeiro livro que li do Nick, portanto tenho um carinho pra lá de especial. Já do filme, bom..  tem algo que eu preciso desabafar: obrigada, por estragarem o final. #SQN. Sério, roteiristas! Vocês não entenderam a mensagem do livro? O longa fala da história de amor entre Savannah, interpretada pela fofa da Amanda Seyfried, e por John, personagem de Channing Tattum. Eles se conhecem durante o verão quando ele, que é um militar, está de férias e ela na cidade construindo casas populares. Quando ele volta para o quartel, começam a se comunicar por cartas (e o ano era 2010, okei). Apesar da mudança surreal do final (que mudou t-o-d-a a coerência da história), eu até que curti.

#5 – Um porto seguro (2013):filmes_2480_safehaven-004

zzZzzz.. Sério, tanto para o livro quanto para o filme. O longa conta a história de Erin Tierney que fugindo do seu marido violento vai se esconder na pequena cidade de Southport, na Carolina do Norte, sob a falsa identidade de Katie Feldman. Lá, conhece o viúvo Alex Wheatley e se envolve com ele, se afeiçoando aos seus filhos pequenos, Lexi e Josh. Katie também faz amizade com a sua vizinha Jo. Bom, o resto é spoiller. Eu não curti, achei cansativa mas teve gente que adorou, né? O casal principal é interpretado pela Julianne Houghs e pelo Josh Duhammel. Confesso que o fim é até que fofo. Mas só o fim mesmo. E até um bocado surpreendente.

#6 – Um homem de Sorte (2012):

Wallpapers_1600x1200_C

O filme vale a pena por motivos de Zac Efron mostrando que não é mais um rostinho bonito e muito mais do que a trilogia HighSchool Music. Logan é um sargento do Exército americano que percorre o país atrás da sua salvadora. Sim, salvadora. Acontece que no meio da guerra ele foi salvo de um bombardeio ao sair de onde estava ao avistar uma foto. E sempre que estava com a fotografia de uma moça ele se salvava de morrer. Considera então que a moça desconhecida é seu amuleto e decide encontra-la a todo custo. A única informação que ele tem é o casaco de uma universidade que a mulher na fotografia tá usando e parte rumo a Carolina do Norte. Lá conhece Beth , interpretada pela Taylor Schilling , professora e divorciada (a tal moça), ele se oferece para trabalhar no canil que ela é dona e eles iniciam então um romance que logo chega aos ouvidos do louco do ex-marido dela, um policial filho de uma família rica e influente da cidade. Eu curti mais ou menos o livro. O filme é mais legal e por incrível que pareça foi fiel o suficiente.

#7 – Um amor para recordar (2002): 12813077

Primeiro longa baseado em um livro do Sparks. Chorei tanto com o filme e muito mais com o livro. Infelizmente, há diferenças entre os dois. Algumas, porém significativas. No livro, a história se passa na década de 50 enquanto na telinha a trama rola nos dias atuais. Landom (Shane West) é o típico adolescente rebelde. Punido por ter feito mal a um rapaz, ele é obrigado a ajudar na produção da peça de teatro da escola. Lá se aproxima de Jamie (Mandy Moore), a filha do pastor da cidade. E como todo bom folhetim, claro que eles se apaixonam. Mas para infelicidade do casal, a garota tá seriamente doente. E então, o rapaz que antes era conhecido pela rebeldia se torna um rapaz doce. Destaque para a trilha, que dá todo o charme pra história.

Para quem quiser assistir, “Uma longa jornada” tem previsão de estreia no dia 10 de abril. Confira o trailler aqui:

#TemQueLer: “O Resgate”

Já falei por aqui que o Nicholas Sparks é meu autor preferido, não é? Escrevi algumas resenhas de outros livros dele aqui (“A última música” e “Querido John“). Pois então, há muitos livros lidos dele que não me emocionava tanto. Acho que desde ‘O melhor de mim’ (que lançaram ano passado em filme e escrevi sobre ele aqui) não lia um livro tão fofo, que me fizesse lembrar o estilo Sparks de escrever. Bom, terminei semana passada mais um livro dele que ganhei em um amigo oculto e que paquerava há meses, “O Resgate“.

O_RESGATE_1402434269P“Confrontado com situações de extremo perigo, Taylor McAden, bombeiro voluntário, expõe-se até ao limiar do perigo. Denise é uma jovem mãe solteira, cujo filho de cinco anos sofre de um inexplicável atraso de desenvolvimento e a quem ela devota a sua vida numa tentativa de o ajudar. Mas o caso vai aproximar estes seres. Numa noite de tremendo temporal, Denise sofre um acidente de automóvel e é Taylor quem vem socorrê-la. Embora muito ferida, a jovem depressa toma consciência de que o filho já não se encontra na sua cadeirinha do banco traseiro. Taylor irá até ao fim de uma angustiante noite de buscas para o encontrar. Foram tecidas as primeiras malhas que os irão unir – o pequeno Kyle desabrocha ao calor da ternura daquele homem. Denise abandona-se à alegria de um amor nascente. Mas Taylor tem em si cicatrizes antigas, que o não deixam manter compromissos de longa duração. Nicholas Sparks, esse talentoso contador de histórias, intervém com a sua magia redentora e a sua inigualável capacidade de aprofundar a complexidade das relações e dos afetos.”

Autor: Nicholas Sparks
Editora: Arqueiro
Número de Páginas:  320


A história, que se passa em Edenton, cidade no interior da Carolina do Norte, gira em torno de Denise Holton, mãe solteira com um filho de cinco anos, o fofo do Kyle. Acontece que Kyle tem problemas de fala. Ele simplesmente não pronuncia as palavras certas, problema que aconteceu com um dos filhos do Nicholas. No decorrer desses anos, Denise já recebeu inúmeros diagnósticos de vários médicos.

E é durante uma dessas voltas de uma consulta de rotina que seu destino se cruza com o de Taylor McAden. Ele, bombeiro voluntário da pequena cidade, socorre Denise e o filho quando ambos sofrem um acidente na estrada por causa de uma forte tempestade em que ele acaba resgatando o pequeno Kyle.

Taylor é um teimoso mas de dono de uma empresa que conserta casas e por causa de um trauma do passado não consegue se envolver, muito menos criar vínculos com nenhuma mulher. Tudo muda quando ele conhece os dois. Órfão de pai aos nove anos, Taylor se sente até hoje culpado pela morte do pai. E com isso, afasta as pessoas.

Como todo bom livro do Sparks, muito drama acontece em mais de 300 páginas. Mas, claro, muito romance. O que mais aprecio (mesmo nos livros que menos gostei dele) é a modo que ele escreve, que envolve qualquer um. A parte mais fofa do livro é poder acompanhar o crescimento da fala Kyle e saber depois que o quase tudo descrito no livro, aconteceu com Ryan, filho do Sparks. Vale muito a leitura, mas ainda não tá na minha lista de preferidos (mas já passou e muito outros lançamentos do autor).

#TemQueLer: “A última música”

Quarta aqui no blog é dia de resenha de algum livro que eu tenha gostado muuuito. Não foi diferente. Já escrevi aqui outra resenha dele. Acho que “A última música” foi o terceiro livro do autor que li. E é impossível não chorar com ele. Eu gostei muito. Vamos para a resenha?
Maultimamusicaais uma vez Nicholas Sparks nos mostra porque é considerado o mestre do romance moderno e porque seus livros são adorados por leitores de todo o mundo. Seguindo a tradição de seus mais belos romances, ele agora nos apresenta uma comovente história sobre família, amizade, amor, amadurecimento e especialmente sobre como perdoar e recomeçar. Aos dezessete anos, Verônica Miller, ou simplesmente Ronnie, vê sua vida virar de cabeça para baixo, quando seus pais se divorciam e seu pai decide ir para a praia de Wrightsville, na Carolina do Norte. Três anos depois, ela continua magoada e distante dos pais, particularmente do pai. Entretanto, sua mãe decide que seria melhor os filhos passarem as férias de verão com o pai na Carolina do Norte. O pai de Ronnie, ex-pianista, vive tranquilamente na cidade costeira, absorto na criação de uma obra de arte que será a peça central da igreja local. Ressentida e revoltada, Ronnie rejeita toda e qualquer tentativa de aproximação do pai e ameaça voltar para Nova York antes do verão acabar. É quando Ronnie conhece Will, o garoto mais popular da cidade, e conforme vai baixando a guarda, começa a apaixonar-se profundamente por ele, abrindo-se para uma nova experiência que lhe proporcionará uma imensa felicidade – e dor – jamais sentida. Uma história inesquecível de amor, carinho e compreensão – o primeiro amor, o amadurecimento, a relação entre pais e filhos, o recomeço e o perdão – A ÚLTIMA MÚSICA demonstra, como só Nicholas Sparks consegue, as várias maneiras que o amor é capaz de partir e curar seu coração.
Autor: Nicholas Sparks
Editora: Novo Conceito
Número de páginas: 528

Até agora, é o mais lindo do Nicholas. Nunca na vida eu chorei com um livro. E nele chorei. Chorei muito. Você que está lendo isso e só viu o filme.. esqueça! O livro é mil vezes melhor.

Ronnie e seu irmão vão passar as férias de verão com o seu pai, que não viam há anos. Ela, que aprendeu com o pai a tocar piano, largou a música quando seus pais se separaram, em uma espécie de trauma. Ela não se dá bem com o pai e culpa a mãe de ter que passar as férias com ele. Ele é um ex-pianista e vive numa cidade pequena, absorto na restauração da igreja local que pegou fogo no verão anterior. O que ela não sabe é que seu pai está doente e quase morrendo e tem nesses meses a chance de amar novamente.. ela também se envolve em confusões e conhece um amor, Will. É a típica história do garoto bonito, rico e gente boa.

Ela quando descobre da doença do pai, perdooa tudo e fica ao lado dele até seus últimos dias. Termina de compor uma música que ele havia começado. E fica com Will, claro. Eu chorei absurdos da metade do livro até o fim. Vale a pena.

#TemQueLer: Querido John

Já comentei aqui que sou fã dos livros do Nicholas Sparks (mesmo me decepcionando nas suas últimas publicações) e me decepciono muito quando eles viram filmes. Mas o #TemQueLer de hoje é de um dos meus livros preferidos dele, o primeiro que eu li: “Querido John”.

 

querido jhon‘Querido John’ narra a história de um jovem soldado americano, John, que se apaixona por Savannah uma estudante conservadora. Quando Savannah Lynn Curtis entra em sua vida, John Tyree sabe que está pronto para começar de novo. Ele, um jovem rebelde, se alista no exército logo após terminar a escola, sem saber o que faria de sua vida. Então, durante sua licença, ele conhece Savannah, a garota de seus sonhos. A atração mútua cresce rapidamente e logo transforma-se em um tipo de amor que faz com que Savannah jure esperá-lo concluir seus deveres militares. Mas ninguém pôde prever que os atentados de 11 de Setembro pudessem mudar o mundo todo. E como muitos homens e mulheres corajosos,John deveria escolher entre seu amor por Savannah e seu país. Agora, quando ele finalmente retorna para Carolina do Norte, John descobre como o amor pode nos transformar de uma forma que jamais poderíamos imaginar
Autor: Nicholas Sparks
Editora: Novo Conceito
Número de páginas: 288

Eu soube primeiro da história do filme, através de um conhecido e me interessei. Na época, tinha um espaço de umas três horas entre uma aula e outra na faculdade e aproveitava e entrava em uma livraria pra ler. O livro é lindo, passa uma mensagem sensacional. Diz que quando a gente ama de verdade, temos que deixar a pessoa ser feliz.. e não necessariamente ser com a gente… se para o outro ser feliz .. A história começa quando John, que dá nome ao livro, volta para casa de férias no verão. Ele, que era um garoto rebelde, viu sua vida mudar de rumo quando entrou para o Exército americano. Nesse verão, conhece Savannah, moça simples que está na sua cidade, para ajudar em uma reconstrução de casas. É amor a primeira vista. Savannah, muito religiosa não tinha tido nada sério com outro rapaz. Ela é de outra cidade e sempre faz trabalhos voluntários. Eles se conhecem quando John resgata a bolsa dela que caiu no mar. Se envolvem durante o verão, mas ele tem que voltar para a base do exército, que fica na Europa. Durante meses, trocam cartas quase que diariamente, contando sobre a vida diária. Nas férias ele também conhece o vizinho e amigo e de infância de Savannah, Tim, que tem um irmão autista e que está lá para ajudar na construção.
Um pouco antes de terminar seu tempo na base europeia, acontece o ataque do 11 de setembro e John tem que escolher entre ficar com seu grande amor ou ajudar a pátria. Ele escolhe a segunda opção. Nesse meio tempo ele e Savannah ainda se encontram algumas vezes, mas ela decide terminar de vez lhe escrevendo uma carta. Vemos também o relacionamento entre John e seu pai que nunca foi muito bom. Quando ele conhece Savannah, é descoberto o motivo: seu pai é autista e seu mundo é o da sua coleção de moedas. Quando o pai dele morre, ele vai atrás dela. Mas ai descobre que ela casou com Tim. Quando ela terminou com ele, é porque queria alguém ali do lado dela… literalmente.
E o Tim estava. John descobre que além de tudo, Savannah se casou por causa do irmão de Tim, já que ele está doente.. Em um ato de amor por ela, ele vende toda a coleção do seu pai e doa a ela para ajudar no negócio deles. E ela não sabe disso. O livro termina com John observando Savannah de longe.. e a amando para sempre. Aí que entra o que eu achei divino no livro: Amar não significa estar ao lado dela para sempre, mas sim deixar essa pessoa ser feliz.

Leia. Se emocione. Vale a pena.

Livro do Sparks vira filme!

Confesso! Tenho preconceito com filmes que são adaptados de livros. Isso se agrava quando eu vejo o filme depois de ler o livro, sempre acho defeitos ou me irrito pois não segue a coerência da história. Quando a adaptação é feita através de alguma obra do Nicholas Sparks, já sei que não vou curtir. Foi assim com “Querido John” (2010) e “A última música” (2010). Saí do cinema de cara amarrada não acreditando no que fizeram. Mas isso é assunto para outro post.

Pôster do filme "O melhor de mim" (fonte: site Adoro Cinema)

Pôster do filme “O melhor de mim” (fonte: site Adoro Cinema)

Vim aqui falar que, dia 17 de outubro, chega nas telonas um novo filme baseado em outro livro do Sparks. Com direção de Michael Hoffman (Um golpe perfeito), o longa conta sobre a história de  Amanda e Dawson, que foram namorados na adolescência, mas que por obra do destino acabaram se separando. Mais de 20 anos depois, acabam se reencontrando para se despedirem de um querido amigo em comum.

No elenco, Michelle Monaghan (O melhor amigo da noiva) e Liana Liberato (Se Eu Ficar) como Amanda Collier e James Marsden (Encantada) e Luke Bracey (Monte Carlo) como Dawnson Cole.

 

Confira aqui o trailer do longa: