#TemQueLer: Elena, a filha da princesa

Em uma das minhas andanças pelas livrarias da vida, me deparei com o título “Elena: A filha da Princesa”. Qual não foi a minha surpresa ao perceber que era mais uma história da galera de Krósvia. Então, se você ainda não leu nenhuma dos dois livros anteriores, que até falei nesses dois posts (Simplesmente Ana e De repente, Ana), cuidado, o post abaixo possui muitas revelações!


Sinopse: “Este não é um conto de fadas comum. Sim, existe uma princesa. Não uma donzela, mas uma jovem moderna, preocupada com os problemas de seu tempo. Há também um príncipe. Só não espere que ele seja um perfeito cavalheiro. Afinal, uma pitada de bad boy nunca fez mal a nenhum herói. Elena, filha da princesa Ana — a brasileira que se tornou herdeira do trono da Krósvia —, já não é mais a menininha apaixonada pelo primo Luka, com quem deu o primeiro beijo aos 13 anos. Cresceu, namorou, viajou o mundo. Mas uma notícia surpreendente a faz voltar para casa… justamente quando obrigações familiares também exigem a presença de Luka. O reencontro é explosivo. Luka não estava preparado para adulta que a prima tímida se tornou. Uma mulher que sabe muito bem o quer. E quem quer.”

 

Autora: Marina Carvalho

Editora: Galera Record

Páginas: 322


A protagonista da vez é Elena, princesa filha da Ana e do Alex, que tem agora 19 anos. Há um ano ela decidiu morar na Nigéria para fazer um trabalho voluntário com a população local. Eis que um telefonema do seu pai, anunciando a gravidez de risco da sua mãe, faz com que a princesa largue tudo e volte para seu país.

Elena é uma jovem bonita e decidida e retorna em meio às comemorações do casamento da Luce, filha da tia Marieva. E quem é vivo sempre aparerce, Luka, o filho rebelde da família. O rapaz em questão é a paixão de adolescente da princesa.

Luka se rebelou com a família depois que o seu pai foi preso, – Atenção: spoiller!- no fim do segundo livro. Saiu de casa, foi morar em outro país e é ovelha negra. Narrado em primeira pessoa, é dividido em capítulos alternados pelo casal principal, Luka e Elena.

Luka não via sua prima desde que ela era uma criança e hoje se depara com uma mulher bem bonita que começam a mexer com as suas emoções. Em contra partida, eles precisam enfrentar todas as barreiras – só lendo para saber!- para ficarem juntos.

Anúncios

#TemQueLer: De repente, Ana

Quem viu o post na semana passada, sabe que eu comentei que a autora Marina Carvalho escreveu uma trilogia contando sobre a vida da agora princesa Ana. E, se por acaso, você ainda não leu o primeiro, pare por aqui por conta de spoiller! Quando descobri que já havia a continuação do livro, fui correndo procurar e devorei em uns dois dias.


Sinopse: Ana decidiu viver permanentemente na Krósvia, e tudo está às mil maravilhas. Além do namoro cada vez mais sério com Alexander, ela tem um emprego fixo na embaixada brasileira e dedica parte de seu tempo às meninas do Lar Irmã Celeste.
Mesmo cumprindo tantos compromissos sociais como princesa, Ana nunca foi tão feliz. Porém, de uma hora para outra, tudo muda. Seu pai, o rei Andrej Markov, sofre um grave acidente e vai parar na UTI. Não resta alternativa: Ana vai ter que assumir o trono da Krósvia e governar a nação.
Pouco – ou quase nada – familiarizada com a função, ela vai precisar de ajuda não só para reger o seu país, mas também para manter perto de si aqueles que ama. Muita gente está interessada no seu fracasso.
Editora: Novas Páginas
Páginas: 320
Autora: Marina Carvalho

Ana agora é cidadã oficial de Krósvia e seu namoro com o Alex vai muito bem, obrigada! Em férias no Brasil com ele, a princesa recebe uma ligação avisando que seu pai, o rei Andrej, sofreu um grave acidente e está entre a vida e a morte. E advinha quem é que vai precisar assumir o trono?  Sim, Ana Bernardes.

E a garota, que nunca se meteu em assuntos políticos, se vê as voltas com decisões sobre um reino que precisa governar. Fácil? Comparado com a volta da ex namorada do seu atual boy até que é. Sim, caros leitores. Laika, a ex do Alex, volta pronta para infernizar a vida da nossa protagonista.

Bom, não dá para contar mais ou vou estragar o resto da história que tem um final pra lá de fofo – além de gancho – para o último livro da trilogia que eu conto semana que vem: “Elena, a filha da princesa”.

#TemQueLer: Simplesmente Ana

livro

Para variar, não lembro como cheguei nesse livro. Só sei que devorei ele em uns dois dias no máximo. Gosto muito de valorizar – e indicar pras amigas – quando a autora é daqui do Brasil. Acho importante, sabe? Temos escritores maravilhosos que realmente não entendo o motivo que eles não são valorizados. Com “Simplesmente Ana”, pude perceber que é possível sim que não importa a nacionalidade, mas sim a qualidade do conteúdo.


SINOPSE:
Imagine que você descobre que seu pai é um rei. Isso mesmo, um rei de verdade em um país no sudeste da Europa. E o rei quer levá-la com ele para assumir seu verdadeiro lugar de herdeira e futura rainha…
Foi o que aconteceu com Ana. Pega de surpresa pela informação de sua origem real, Ana agora vai ter que decidir entre ficar no Brasil ou mudar-se para Krósvia e viver em um país distante tendo como companhia somente o pai, os criados e o insuportável Alex.
Mudar-se para Krósvia pode ser tentador — deve ser ótimo viver em um lugar como aquele e, quem sabe, vir a tornar-se rainha —, mas ela sabe que não pode contar com o pai o tempo todo, afinal ele é um rei bastante ocupado. E sabe também que Alex, o rapaz que é praticamente seu tutor em Krósvia, não fará nenhuma gentileza para que ela se sinta melhor naquele país estrangeiro. A não ser… A não ser que Alex não seja esta pessoa tão irascível e que príncipes encantados existam. Simplesmente Ana é assim: um livro divertido, capaz de nos fazer sonhar, mas que — ao mesmo tempo — nos lembra das provas que temos que passar para chegar à vida adulta.
Editora: Novas Páginas
Páginas: 304
Autora: Marina Carvalho

 

A primeira vista, parece mais uma cópia do filme “O diário da Princesa”, estrelado pela Anne Hathaway e Julie Andrews. Mas a única semelhança é a descoberta, do dia para noite que você é uma princesa. E só. Ana, uma jovem estudante mineira de direito, descobre aos 20 anos que seu pai é só o rei de um país chamado Króvia.

A menina pensava durante toda a sua vida que ele a tinha abandonado, quando a sua mãe é que o abandonou quando descobriu que estava grávida, justamente por ele ser rei. Andrej, o rei, quer que a sua filha passe um tempo com ele em Króvia. Ela larga sua vida no Brasil e vai rumo ao desconhecido.

Ela ganha uma nova família (pai, tios e primos), Ana precisa se adaptar a essa nova realidade. Ao chegar por lá, conhece Alexander, enteado do seu pai (que é viúvo) que a odeia de imediato. Na realidade, a relação entre os dois é mais de cão e gato.

Claro que como um bom romance água com açúcar, eles se apaixonam. O problema é que o gato tem namorada – de nome Laika -, no melhor estilo modelo de capa de revista. Além do boy ser seu meio irmão, claro.

O fim é meio obvio, digno de novela sabe? Ah, e boa notícia: tem mais duas continuações. Mas isso é papo para semana que vem.

Dia da mulher na literatura!

Hoje, no dia 8 de março é considerado o dia internacional da mulher. Essa data existe oficialmente desde 1910, mas tudo começou uns bons anos antes (mais precisamente em 1857) quando um grupo de operárias de uma fábrica de tecido de Nova Iorque, cansadas da jornada de trabalho e péssimas condições de trabalho, resolveram reivindicar com uma greve. Elas foram agredidas tanto pela polícia quanto pelos patrões e trancafiadas e a fábrica, incendiada causando a morte de todas.

Desde então, nós mulheres, tentamos nos equiparar em vários aspectos com os homens: queremos o direito de exercer profissões que antes era consideradas aparentemente masculinas e ganhar o mesmo salário, lutamos a favor de poder transar no primeiro encontro sem ser considerada ‘fácil’ perante a sociedade.

E, para celebrar o dia de hoje, eu que sou uma viciada em literatura de mulherzinha (conhecida também como gênero chick lit), vou dar meu Top #6 de livros cuja protagonistas são mulheres de fibra.

# Capitu, do livro “Dom Casmurro” de Machado de Assis

imagesLivro que deve ser um dos mais pedidos enquanto estamos no Ensino Médio, né? Li uma única vez, por conta do colégio e me encantei. A história é sobre a vida de Bentinho, mais conhecido como Dom Casmurro, mas vamos combinar que a dona dos ‘olhos de cigana oblíqua e dissimulada‘ é que tem mais destaque na trama, né? Amigos de infância e depois namorados, Bentinho e Capitu protagonizam uma das respostas mais misteriosas que ninguém nunca conseguiu responder: afinal, ela traiu ou não o marido com o seu melhor amigo?

# Aurélia, do livro “Senhora” de José de Alencar

564989Acho um dos livros mais lindos e fofos da literatura brasileira. Aurélia, moça pobre e simples se encanta por Fernando. Eles começam a namorar, mas logo depois ele a troca para ficar noivo de uma moça rica. Um tempo depois, ela recebe uma herança do avô e fica rica. O jogo vira e ela, sem Fernando saber consegue que ele se case com ela sem saber quem era a esposa (século dezenove, povo!) e faz dele gato e sapato como forma de se vingar pelo fato de ter sido trocada. Claro que o tiro saí pela culatra e o final todo mundo sabe, aquele velho clichê.

# Becky Blom, da série Becky Bloom, da Sophie Kinsellabecky-melina

Mulherada que é consumista: impossível não se identificar nem um pouco com a Becky. Dona de uma coleção de sete livros, a saga conta as trapalhadas da nossa shoppaholic (algo como viciada em compras) preferida. Ela é tão fofa (e os livros são tão bem escritos) e tão gente como a gente que no fim você acaba querendo ser amiga dela e se sente tão íntima que quando enlouquece ao ver uma roupa na vitrine da loja logo lembra dela.

# Hermione Granger, da saga Harry Potter

daniel-radcliffe-emma-watson-harry-potter-hermione-granger-Favim.com-529513Tudo bem, podem criticar falando que ela não é a protagonista. Mas vou ter que discordar. Para quem leu a saga do bruxo mais amado do século consegue imaginar a vida do Harry sem a Mione, sua melhor amiga e o cérebro do trio? Impossível, né?  E ainda foi defendida tão bem durante dez anos pela Emma Watson; Por isso que ela merece sim o destaque aqui na minha lista.

# Claire, do livro “Melancia” da Marian Keyes

ÍndiceQuem conhece ou já leu algum livro da Marian sabe que seu forte é escrever livros cujas personagens principais são mulheres. Eu escolhi a Claire – apesar de não ser meu livro preferido da Marian – pois é nela que começa a sequência de livros das mulheres Walsh (“Férias”, “Los Angeles”, “Tem alguém ai”, “Chá de sumiço” e “Dicionário da mamãe Walsh”) que me fizeram dar muitas risadas. E também, porque ela passa por poucas e boas: é abandonada pelo marido assim que tem a filha deles e é obrigada a voltar a morar com os pais e as irmãs.

# Ana, do livro “Simplesmente Ana” da Marina Carvalho

Simplesmente-AnaQualquer semelhança com um certo filme é mera coincidência, ok? O livro da autora brasileira Marina Carvalho, conta a história de Ana, uma estudante de direito moradora da cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais que acha que o pai abandonou sua mãe Olívia antes mesmo dela nascer. Acontece que depois de 20 anos ela descobre que ele nem sabia que ela existia e, pasmem, é rei de um – fictício- pequeno país europeu, Krósvia. A nova princesa decide passar um tempo lá para conhecer o seu pai, rei Andrew e se adaptar na sua nova vida. O livro é tão fofo que devorei em uns dois dias e pirei quando soube que tem continuação (que eu já li, claro),o “De repente, Ana”.