#TemQueLer: Uma prova de amor

livro

Sempre fui fã assumida do gênero chick lit – ou mulherzinha, para muitos – cujas personagens principais são mulheres e seu universo. O primeiro livro que li da Emily Giffin foi “Ame o que é seu”, já resenhado aqui e ela se tornou uma das minhas escritoras preferidas.

O livro de hoje é “Uma Prova de amor”, que li acho, em 2013 – e foi bem difícil lembrar dos detalhes – e muito bem desenvolvido na forma como ela escreve e apesar das mais de 400 páginas, a leitura é suave e leve.


Sinopse: Não para Claudia Parr. A bem-sucedida editora de Nova York não pretende ser mãe e até desistiu de encontrar alguém que aceite esta sua escolha, mas, então, ela conhece Ben. O amor dos dois parece ideal. Ben é o marido perfeito: amoroso, companheiro e — assim como Claudia — também não quer crianças. No entanto, o inesperado acontece: um dos dois muda de ideia a respeito dos filhos. E, agora, o que será do casamento dos sonhos?

Uma Prova de Amor é um livro divertido e honesto sobre o que acontece ao casal perfeito quando, de repente, os compromissos assumidos já não servem mais. Contudo, é também uma história sobre como as coisas mudam, sobre o que é mais importante, sobre decisões e, especialmente, sobre até onde se pode ir por amor.

Editora: Novo Conceito

Ano: 2013

Páginas: 432


Cláudia tem um relacionamento bem estável. Ela, uma editora, nunca quis ter filhos e encontrou em Ben, seu marido o cara ideal para isso: ele também não quer. Ele é o cara ideal: amoroso e companheiro. Mas, o que Claudia não previa era que o instinto paternal afetasse Ben e ele começa a pensar na possibilidade de ter um filho. De preferência, com ela.

Então é ai que a crise no casamento começa. O que ela deve fazer? Atender aos desejos do marido, afinal, ela o ama e quem sabe pode amar a criança ou simplesmente cortar a relação? Então começa o dilema, já que todo mundo a enxerga como a vilã da situação, até porque é o desejo de se ter filhos sempre parte da mulher, nunca do homem.

*Alerta spoiller!* O casamento começa a ruir e logo eles se divorciam e vai cada um para um canto. Separados, Cláudia decide dar novos rumos a sua vida e começa a conhecer novos caras e como é a relação dela com a família. Ela começa a perceber que quando a gente ama de verdade uma pessoa, as vezes é preciso abrir mão de certos pensamentos e convicções.

A Emily Giffin tem um jeito bem característico em todos os seus livros: ela adora falar de relacionamentos – seja de qual tipo – de uma forma simples e pura, sabe? Uma sensiblidade que poucos conseguem ter quando escrevem seus livros. Eu já li quase todos os livros dela e em todos parece que a escrita fluiu.

Anúncios

#TemQueLer: Laços Inseparáveis

livro

No último domingo, resolvi arrumar meus livros, que estavam divididos em: lidos – dentro do guarda roupa- e não lidos que ficavam dentro do armário embaixo da mesa. Qual não foi minha surpresa ao me deparar com publicações já lidas por mim e que tinha esquecido o quanto eram legais e super mereciam aparecer aqui no #TemQueLer. E um deles é “Laços Inseparáveis”, da Emily Giffin.


Editora: Novo Conceito

Nº de páginas: 445

Sinopse: Marian Caldwell é uma produtora de televisão de 36 anos, vivendo seu sonho em Nova York. Com uma carreira bem-sucedida e um relacionamento satisfatório, ela convenceu todo mundo, inclusive si mesma, que sua vida está do jeito que ela deseja. Mas uma noite, Marian atende a porta… para apenas encontrar Kirby Rose, uma garota de 18 anos com a chave para o passado que Marian pensou ter deixado para trás para sempre. Desde o momento que Kirby aparece na sua porta, o mundo perfeitamente construído de Marian — e sua verdadeira identidade — será chacoalhado até o fim, fazendo ressurgir fantasmas e memórias de um caso de amor apaixonado que ameaça tudo para definir quem ela realmente é. Para a precoce e determinada Kirby, o encontro vai provocar um processo de descobrimento que a leva ao começo da vida adulta, forçando-a a reavaliar sua família e seu futuro com uma visão sábia e doce. Enquanto as duas mulheres embarcam em uma jornada para encontrar o que está faltando em suas vidas, cada uma irá reconhecer que o lugar no qual pertencemos normalmente é onde menos esperamos — um lugar que talvez forçamos a esquecer, mas que o coração se lembra eternamente.


Eu adoro os livros dela, já li quase todos que ela escreveu e ela figura na minha lista de autoras favoritas, junto com a Sophie Kinsella e a Marian Keyes. E a história é bem bem emocionante. Marian Cladwell, 36 anos, é uma poderosa produtora de televisão e que tem a vida bem tranquila. Eis que uma noite, uma adolescente de 18 anos bate à sua porta. Quem é ela? Kirby Rose. Sua filha, que ela entregou para a adoção ao nascer. A jovem, no entanto, só queria saber quem era a sua mãe. Por alguns dias, o passado vem à tona, e tudo fica bastante confuso. As duas tentam estreitar uma relação que antes não existia.

Marian passa então a relembrar toda a sua história enquanto adolescente e, claro, comparando e imaginando como seria se ela tivesse ficado com a criança. Relembra do namorado de colégio e, é claro, fica se perguntando o que aconteceu com ele.

Do outro lado, vemos Kimber, que sempre quis saber como eram seus pais biológicos e o motivo que os levou a entregar para a adoção. No fim, fica um gosto de ‘quero mais’, de que o livro podia ter engrenado antes e algumas coisas terem ficado resolvidas, sabe? Mesmo assim, foi um dos mais bonitos publicados por ela. Vale a pena super a leitura.

Novo livro da Emily Giffin!

Costumo dizer que a Emily Giffin é a minha terceira autora preferida (perdendo apenas para Marian Keyes e Sophie Kinsella) no estilo chicklit (aqueles que toda mulherzinha adora!) e eu já li todos os livros dela, tanto que fiz a resenha de um aqui. E adorei todos também. Claro que tenho um carinho maior por alguns. Para minha surpresa, descobri que ela já lançou um novo livro, o The One & Only.

Ainda sem data de lançamento no Brasil (ao menos eu ainda não descobri), ele vem também pela Editora Nova Conceito (como os outros livros dela) e tem uma história para lá de especial. Vamos ver?

Shea passou a vida inteira em Walker, um colégio completamente devotado ao futebol – uma paixão que ela compartilha inteiramente. Mesmo tendo tido a oportunidade de sair de sua cidade na época da faculdade, ela escolheu ficar por ser apegada demais a ela. Agora, com mais de 30 anos e após a cidade ter sido abalada por uma inesperada tragédia, ela passa a reavaliar suas escolhas e finalmente decide desistir da segurança de sua vida para se expor em um caminho inesperado. É então que ela descobre terríveis verdades sobre tudo o que sempre confiou e é forçada a enfrentar seus mais profundos medos, segredos e desejos.
Capa do livro na versão americana.

Capa do livro na versão americana.

No site da autora (www.emilygiffin.com), é possível comprar a versão em inglês do livro. Para quem não se garante, o jeito é esperar que a Novo Conceito lance em terras brasileiras.

#TemQueLer: Resenha ‘Ame o que é seu’

O #TemQueLer de hoje não vem com uma sugestão de blog, mas sim de um livro. Com vocês, a resenha de “Ame o que é seu“, da Emily Giffin.
  • Sinopse:
“Ame o que é seu”, conta a história de uma mulher que, após o seu reencontro com alguém do passado, começa a questionar suas escolhas e seus valores. O casamento de Ellen e Andy não parece perfeito, ele é perfeito. Até que em uma tarde supostamente comum, Ellen reencontra Leo, aquele que há 8 anos a deixara com o coração partido. Os sentimentos despertados em Ellen neste momento a fazem questionar se a vida que tem hoje é mesmo aquela que sonhara há anos atrás.
Ame-o-que-e-seu
A minha história com esse livro começa assim: estava eu, de bobeira numa livraria quando vi a capa e sentei pra ler a sinopse. Me apaixonei. Ai fui e peguei o primeiro capítulo. Fiquei encantada. Foi o primeiro livro da Emily que li (já li todos!) e gostei muito.
Ellen tem uma vida feliz e confortável ao lado do seu marido perfeito: Andy é bom, integro, a ama e é rico. Até que ela reencontra Léo, sua maior paixão no qual Ellen teve um término conturbado. Aquela paixão louca, volta. E ela fica na dúvida: ou fica com o casamento feliz ou se entrega a paixão? Confesso que gostei bastante da Ellen. Fica sempre aquela dúvida pra gente:“E se?” E se ela não tivesse largado o Léo? E se ela não tivesse casado com o Andy?
Ainda mais na época em que li o livro, pq eu me identifiquei absurdos com ela. Não curti muito o final, mas aceitei e entendi que era o melhor. Detestei a cunhada da Ellen, a Margot. Já aviso o quão insuportável ela pode ser. Já ouviu falar dela mas não se lembra? Ela é autora de outros livros como ‘O noivo da minha melhor amiga’ e que já virou filme.
Dados:
Livro: Ame o que é seu
Autor: Emily Giffin
Editora: Novo Conceito
Categoria: Literatura Internacional / Romance
ISBN: 9788599560532
Páginas: 312
Lançado: 2010