Campo Grande, o filme

foilme

Vocês lembram que contei em um outro post que eu passei uns dias em Tiradentes, não é? O que não falei é que na época estava rolando um festival de cinema brasileiro na cidade e aproveitei para conhecer alguns filmes que estavam passando. Um deles foi o longa “Campo Grande“, que entrou em circuito nacional recentemente, dirigido pela Sandra Kogut.

Cartaz do filme

A história, densa que só, começa contando sobre Rayane (Rayane do Amaral) que aparece na porta de uma moradora da Zona Sul do Rio de Janeiro, a Regina (Carla Ribas). A menina, de uns cinco anos, aparece depois com seu irmão mais velho Ygor (Ygor Manoel). Assustados, os dois tentam a todo custo voltar para a casa da avó, no bairro carioca Campo Grande – dai o nome do filme – só que eles não sabem chegar.

Regina, que anda em crise financeira e pessoal desde que se separou do marido, fica confusa quanto a origem das crianças, já que a menina afirma que foi a mãe que deixou ela ali na promessa de voltar para buscar. Começa então um embate sobre o que fazer com Ygor e Rayane.

Os protagonistas infantis, Ygor e Rayane, que você tem vontade de levar para casa!

Contra a opinião da sua filha adolescente, a mulher decide leva-los deixa-los em um orfanato, onde o menino logo foge e volta para a casa dela. Em meio a tantos problemas, Regina então começa a se afeiçoar a ele e esquece por ora os seus problemas – separada, o marido decide vender o apartamento deles e ela está de mudança para um novo lugar – e tenta ajudar o garoto a encontrar a avó.

Chegando lá, em um pergunta daqui e ali, descobrimos que o lugar que ela morava foi vendido para uma construtora e avó faleceu. Nesse meio tempo, podemos ver a desigualdade entre os dois bairros: Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro e onde a Regina reside e Campo Grande, zona oeste carioca.

A todo momento, eu ficava me perguntando o que teria acontecido com a mãe das crianças e nas quase duas horas inventei várias teorias a cada cena que passava. Além disso, como carioca – e minoria ali, já que estava assistindo o filme em outro estado – conseguia entender as diferenças gritantes entre dois bairros de uma mesma cidade.

Quem curte um bom drama, sem pecar pelos excessos, realidade da vida, pode procurar o cinema mais próximo, pegar a pipoca e mandar ver que o filme é bom e o final tão surpreendente quanto. Ficou interessado? Confere o trailer aqui:

[Top 6]: Cinema Nacional.

Hoje, no dia 5 de outubro é considerado um dos dias do Cinema Nacional. Sim, existem duas datas – a outra é 19 de junho – mas hoje é o que consideram a primeira exibição pública de cinema nas terras tupiniquins.

Apesar de muita gente torcer o nariz quanto as nossas produções nacionais, nos últimos anos o cinema nacional vem conquistando cada vez mais telespectadores. E, pra celebrar, separei seis filmes nacionais que eu adoro de paixão.

Sonho de Verão

Pra mim, é o melhor da minha infância e adolescência e vida adulta. Cansei de contar quantas vezes aluguei o VHs, o DvD e que vi no youtube depois. Figurinha fácil da “Sessão da Tarde”, ele já apareceu quando dei meu top 10 de filmes dos anos 90, lá no comecinho do blog. Sérgio Mallandro querendo impressionar e dar um verão inesquecível para a namorada, se faz passar por um sobrinho de um casal milionário que acabou de viajar e deixou a mansão vazia. O que ele não esperava é que um bando de adolescente confundisse o local com uma colônia de férias. O enredo é até meio bobo, mas tem meu amor pra sempre!

Desenrola

Priscila (Olívia Torres) é uma adolescente como todas as outras. Tem suas encanações, dúvidas, incertezas e, claro, paixões não correspondidas. Quando sua mãe precisa viajar por vinte dias por conta do trabalho, ela aproveita pra acabar com algo que a incomoda: sua virgindade. No elenco do filme de 2001 temos Pedro Bial, Juliana Paiva e Kayky Britto

Vai que dá certo

Sabe aquele filme que você vai ver no cinema por falta de opção? Foi assim com ‘Vai que dá certo’. E zero arrependimento. Saí da sala com a barriga doendo de tanto rir. A história, de 2013, fala de quatro amigos desde o colégio e que estão com a vida sem perspectiva: os irmãos Vaguinho (Gregório Duvivier) e Amaral (Fábio Porchat) – donos de uma locadora que tá falida -, o professor de inglês, Tonico (Felipe Abib) e o cantor de bar Rodrigo (Danton Mello) tem a chance de participar de um assalto e mudarem de vida. Só que claro que nada dá certo e eles acabam se metendo em muitas confusões. A sequencia chega ano que vem.

Muita Calma nessa hora

Sabe aquele filme que você identifica com uma personagem? Ou com a história? Pra mim, são os melhores. Em MCNH, é aquele que você precisa ver com as amigas (ele e mais um monte, falei deles aqui), sabe? Tita (Andréia Horta) depois de descobrir a traição do noivo nas vésperas do casamento, escala as melhores amigas, Anninha (Fernanda Souza) e Mari (Gianne Albertoni) para curtirem a lua-de-mel já paga na paradisíaca Búzios. Nesse meio tempo elas conhecem Estela (Débora Lamm) e o trio vira um quarteto.

Confissões de Adolescente

Eu já era muito fã da série que passou na TV Cultura lá na metade dos anos 90 e teve três ou quatro temporadas. Para minha surpresa, em 2014, eles resolveram levar essa o enredo para as telonas (e pros dias de hoje, claro) e eu, quase uma balzaquiana, corri pro cinema. Quatro irmãs, criadas só pelo pai, de diferentes faixas etárias, sofrem os seus dilemas e dúvidas de serem adolescentes. Menção honrosa pra Sophia Abrahão cantando ‘Sina’, do Gilberto Gil. Fofo ❤

Minha mãe é uma peça

Baseada na peça de mesmo nome, cujo prota é o Paulo Gustavo, o filme fala da vida da Dona Hermínia (Paulo Gustavo), uma mulher – super inspirada na mãe dele – que tá divorciada e foi trocada por uma outra bem mais jovem e que não para de pegar no pé dos seus filhos: Marcelina e Juliano. Um dia, ela descobre que eles a acham uma chata e insuportável e sai de casa, sem avisar ninguém o que os deixa bem preocupados. Mas na verdade, ela só vai visitar a tia Zélia. Eu sou muito fã do PG, tanto que lá em janeiro bem fui no #220V e contei aqui, claro. Ah, a notícia boa é que ano que vem a continuação chega no cinema.

[Resenha]: Loucas para casar

Essa semana depois de ver alguns filmes que estavam na lista há tempos, mas que só adiava, queria algo mais leve e mais real. Explico o real: queria filme brasileiro, que eu soubesse o nome dos atores, que já tivesse ido naquele mesmo lugar da cena. E queria algo leve, que eu pudesse dar muitas risadas. E escolhi “Loucas para casar”, filme que estreou no comecinho do ano e não consegui ver no cinema.

As protagonistas

Malu (Ingrid Guimarães, que brilha no papel) é uma corretora de imóveis de quase 40 anos é metódica até demais, daquelas que gosta de deixar tudo organizado e seu maior sonho é casar. Cansada de ser sempre as madrinhas dos casamentos das amigas, Malu resolve dar uma pressionada no namorado.

E quem é ele? Namorando o chefe, Samuel (interpretado pelo muy guapo Márcio Garcia) há três anos, ela tem a vida perfeita: é bonita, tem um cara lindo, bom emprego e vida sexual saudável. Só espera pelo grande dia em que o namorado faça finalmente o pedido. Só que por causa de uma desconfiança de uma atitude dele, vai junto com a sua melhor amiga, Dolores, a procura de um detetive particular pra saber se ele tem uma amante. Para desespero, Malu descobre que ele também namora a dançarina-stripper Lúcia, papel feito pela Suzana Pires. E elas duas descobrem que existe mais uma: a pura e recatada Maria, personagem da Tatá Werneck.

Malu então surta e começa a competir com as duas que sempre aparecem onde ela está com Samuel. E as três travam diálogos impagáveis, que eu ria sozinha em casa. Nesse meio tempo, descobrimos que a mãe dela sofre de uma doença, que a leva a para uma realidade paralela. Uma coisa fofa só e preparem os lencinhos para essas cenas.

Uma outra parte que dei muitas risadas é quando a mãe do Samuel, d. Adir vem ao Rio de Janeiro. Malu, pensando que está falando com Maria no banheiro do restaurante, começa a falar várias coisas que acabam assustando a sogra. Depois de muita confusão, Samuel a leva para um final de semana romântico e finalmente a pede em casamento.

Na véspera, ela se reúne com as outras duas para falar que venceu. O que ela não espera é que as duas estão também de casamento marcado com ele. Malu decide que ou ele casa com as três, ou com nenhuma. No começo pensei que fosse mais um filme de comédia pura, bem ao estilo da Ingrid (que já protagonizou “De pernas pro ar”), mas não. Tem muito mais coisa. Fui do riso ao choro e do choro ao riso. Bom mesmo.

O final, apesar de parecer meio óbvio na metade para quem consegue sacar a pegadinha, te faz pensar em muita coisa. Vale super a pena. Dá uma conferida aqui no trailer pra já se empolgar.