[Top 6]: Cinema Nacional.

Hoje, no dia 5 de outubro é considerado um dos dias do Cinema Nacional. Sim, existem duas datas – a outra é 19 de junho – mas hoje é o que consideram a primeira exibição pública de cinema nas terras tupiniquins.

Apesar de muita gente torcer o nariz quanto as nossas produções nacionais, nos últimos anos o cinema nacional vem conquistando cada vez mais telespectadores. E, pra celebrar, separei seis filmes nacionais que eu adoro de paixão.

Sonho de Verão

Pra mim, é o melhor da minha infância e adolescência e vida adulta. Cansei de contar quantas vezes aluguei o VHs, o DvD e que vi no youtube depois. Figurinha fácil da “Sessão da Tarde”, ele já apareceu quando dei meu top 10 de filmes dos anos 90, lá no comecinho do blog. Sérgio Mallandro querendo impressionar e dar um verão inesquecível para a namorada, se faz passar por um sobrinho de um casal milionário que acabou de viajar e deixou a mansão vazia. O que ele não esperava é que um bando de adolescente confundisse o local com uma colônia de férias. O enredo é até meio bobo, mas tem meu amor pra sempre!

Desenrola

Priscila (Olívia Torres) é uma adolescente como todas as outras. Tem suas encanações, dúvidas, incertezas e, claro, paixões não correspondidas. Quando sua mãe precisa viajar por vinte dias por conta do trabalho, ela aproveita pra acabar com algo que a incomoda: sua virgindade. No elenco do filme de 2001 temos Pedro Bial, Juliana Paiva e Kayky Britto

Vai que dá certo

Sabe aquele filme que você vai ver no cinema por falta de opção? Foi assim com ‘Vai que dá certo’. E zero arrependimento. Saí da sala com a barriga doendo de tanto rir. A história, de 2013, fala de quatro amigos desde o colégio e que estão com a vida sem perspectiva: os irmãos Vaguinho (Gregório Duvivier) e Amaral (Fábio Porchat) – donos de uma locadora que tá falida -, o professor de inglês, Tonico (Felipe Abib) e o cantor de bar Rodrigo (Danton Mello) tem a chance de participar de um assalto e mudarem de vida. Só que claro que nada dá certo e eles acabam se metendo em muitas confusões. A sequencia chega ano que vem.

Muita Calma nessa hora

Sabe aquele filme que você identifica com uma personagem? Ou com a história? Pra mim, são os melhores. Em MCNH, é aquele que você precisa ver com as amigas (ele e mais um monte, falei deles aqui), sabe? Tita (Andréia Horta) depois de descobrir a traição do noivo nas vésperas do casamento, escala as melhores amigas, Anninha (Fernanda Souza) e Mari (Gianne Albertoni) para curtirem a lua-de-mel já paga na paradisíaca Búzios. Nesse meio tempo elas conhecem Estela (Débora Lamm) e o trio vira um quarteto.

Confissões de Adolescente

Eu já era muito fã da série que passou na TV Cultura lá na metade dos anos 90 e teve três ou quatro temporadas. Para minha surpresa, em 2014, eles resolveram levar essa o enredo para as telonas (e pros dias de hoje, claro) e eu, quase uma balzaquiana, corri pro cinema. Quatro irmãs, criadas só pelo pai, de diferentes faixas etárias, sofrem os seus dilemas e dúvidas de serem adolescentes. Menção honrosa pra Sophia Abrahão cantando ‘Sina’, do Gilberto Gil. Fofo ❤

Minha mãe é uma peça

Baseada na peça de mesmo nome, cujo prota é o Paulo Gustavo, o filme fala da vida da Dona Hermínia (Paulo Gustavo), uma mulher – super inspirada na mãe dele – que tá divorciada e foi trocada por uma outra bem mais jovem e que não para de pegar no pé dos seus filhos: Marcelina e Juliano. Um dia, ela descobre que eles a acham uma chata e insuportável e sai de casa, sem avisar ninguém o que os deixa bem preocupados. Mas na verdade, ela só vai visitar a tia Zélia. Eu sou muito fã do PG, tanto que lá em janeiro bem fui no #220V e contei aqui, claro. Ah, a notícia boa é que ano que vem a continuação chega no cinema.

Anúncios

Pra grudar na telinha com a nova das sete!

Parece que foi ontem, mas já tem uns bons meses que falei aqui da estreia de Alto Astral. Bom, a novela acabou na última sexta-feira e hoje começa uma nova, a “I love Paraisópolis”, do autor Alcides Nogueira. E se tem uma coisa que eu curto de montão, é uma estreia de novela. Quer saber os motivos que vão te levar a ficar vidrado no novo folhetim? Continue lendo!

 O enredo é simples e leve.

Com uma pegada mais jovem, a história conta sobre duas irmãs (Bruna Marquezine e Tatá Werneck), moradoras da comunidade de Paraisópolis, vizinha do imponente e rico bairro Morumbi, na cidade de São Paulo e que desejam uma vida melhor e vão em busca do seu objetivo.

Tem história de amor, sim senhor!

Quem não curte um romance água com açúcar?

E é daquelas bem clichê: Marizete, papel da Bru, moça de classe média baixa se apaixona pelo rico Benjamim, feito pelo Maurício Destri. No meio disso tudo tem a mãe perua que vai separar o filho da amada e a ex-namorada perseguidora. Mais “história de novela”, impossível!

Tá recheada de guapos!

Sem título

Caio Castro, como bad boy, Henri Castelli como vilão, Maurício Destri como o mocinho protagonista e Alexandre Borges como o pai de família. Percebeu a listinha nada básica de boys magyas? Tem pra todos os gostos e idades.. o que vai ter de gente dando desculpa para não sair mais as sete…

A trilha sonora é de suspirar.

Eu nunca contei, mas eu sou apaixonada pelo Ed Sherran. E, para minha alegria, a melhor música dele, “Thinking out Loud” – na minha opinião, claro – é a canção que vai embalar o romance do casal protagonista. Isso sem falar da Meghan Trainor, Ana Carolina e da banda Janz (que participou da primeira temporada do SuperStar)

Vamos pirar na Letícia Spiller: incrível e vilã!

Confesso que uma inveja beeem grande rolou quando vi o shape + hair + pele da eterna Babalu. Aos 41 anos (SIIIIIIIIIIIIIM!!), a atriz vai dar a vida a vilã Soraya, uma perua mãe do mocinho e que vai fazer de tudo pra separar o casal protagonista. Além do corpo e cabelo e pele de fazer pirar qualquer mulher, a Letícia ainda vai fazer par com o Henri Castelli. Que chato, não?