Top 5: É pra chorar!

foilme

Desafio da semana: assistir ao longa “Como eu era antes de você” sem derramar uma lágrima ou suspiro. Bom, meio óbvio que eu falhei. E, mesmo sabendo o fim do filme, já que eu li o livro uns dois anos – antes do boom – não fui forte o suficiente. Mas quem dera se esse fosse o único que me fez dar uma grande desidratada. Selecionei outros quatro pra essa lista. Continua lendo e anota as dicas, caso você seja do big team das choronas.. esse post é todinho seu!

Como eu era antes de você

Lou Clark é uma menina de uns 20 e muitos anos e que até agora não fez nada de importante na sua vida. Seu pai se encontra sem emprego e é ela a responsável pelo sustento da família. Trabalhando como garçonete, ela também acaba sendo demitida, pra desespero de todos. Até que surge uma vaga pra cuidar de Will Traynor, um cara que depois de ser atropelado há dois anos ficou tetraplégico. Uma relação de afeto surge entre eles dois… e, bom, é melhor ver pra não estragar. Lembro que terminei de ler o livro que inspirou a história em um shopping e: vergonha, claro, pois eu comecei a chorar. Muito.

Antes que termine o dia

Mais um pra lista patrocinada por uma empresa de lenços de papel. Me recordo que comecei a ver de madrugada, meio que por acaso porque curti a sinopse e no fim eu  não conseguia parar de soluçar real! O casal Sam e Ian estão em crise na relação. Sam é uma musicista e durante um jantar eles discutem por causa de ciúmes e, na volta para casa o táxi em que eles estão sofre um acidente e ela morre. Desolado, Ian vai pra casa e ao acordar vê que o dia ta se repetindo e ele tem uma nova chance de salvar o namoro deles. Nessa altura eu já estava tensa e com muitas e muitas lágrimas. O que acontece depois? Bom, não é tão óbvio assim e .. procura logo pra ver!

Em algum lugar do passado

Esse eu só de lembrar a música principal, já me dá umas angústias no peito e vontade de chorar.  Em 1972, o jovem Richard conhece uma senhora que lhe entrega um relógio de bolso e uma mensagem pedindo pra que ele voltasse para ela. Anos depois, ele se hospeda em um hotel e dá de cara com um retrato de uma jovem e se apaixona de cara. A tal moça em questão é Elise, uma atriz que viveu por ali em …1912 e que já morreu justo naquela noite que ele recebeu o presente da tal idosa. Richard começa uma busca louca de como voltar pro passado e se encontrar com o seu amor, Elise. Achei o final bem bobo, confesso. Mas o drama que eles vivem é maravilhoso!

Pearl Harbor

Filme preferido da v-i-d-a! E que, certamente choro sempre. Sempre mesmo. Rafe e Danny são amigos de infância e se alistam no exército americano durante a Segunda Guerra Mundial. Lá, Rafe conhece a enfermeira Evelyn e eles se apaixonam. Acontece que Rafe acaba dado como morto em uma missão pra desespero da noive e do amigo, Danny. Como todo romance água com açúcar, os dois se envolvem até que Rafe – papel do meu crush ever Bem Affleck – retorna depois de meses. Babado, confusão, lágrimas (minhas e deles) e gritaria.. até porque a mocinha descobre que ta grávida do Danny… É nesse momento que o Japão joga a tal bomba na ilha de Pearl Harbor – o que dá nome ao filme – e ai só vendo pra saber mesmo!

La Bamba

Esse filme do final dos anos 80 talvez seja o mais triste de todos, já que é baseado na vida do cantor dos anos 50, Ritche Valens, que morreu em um trágico acidente de avião quando estava no auge da sua carreira. Só daí dá vontade de despedaçar, né? Melhor cena é quando ele canta para sua namorada de colégio – ele tinha só dezessete anos! – a canção Donna que fez especialmente para ela. Além dela, o hit que é muito bom e que dá nome ao filme: La Bamba.

Anúncios

#Top7: filmes – especial dia dos namorados

Quem não lembra que ano passado dia 12 de junho caiu justamente na abertura da Copa do Mundo, minando qualquer tipo de comemoração da data? Pois bem, para alivio da galera comprometida, esse ano não existe nenhum evento futebolístico e ainda cai em uma sexta feira! Se seus planos são os de se enroscar com o guapo debaixo do edredom nesse quase inverno, confira essa lista de sete filmes pra aproveitar a data a dois.

Amor sem fim

Aquela história bem clichê: garoto pobre se apaixonada pela menina rica e o pai é contra pois acha que ela merece coisa muito melhor. Vi esse filme na televisão semana passada e confesso, achei mais do mesmo. Romântico pra valer, mas esperava mais ação e emoção. Estrelado pelo lindo Alex Pettyfer, como David e Gabriela Wilde como Jade. Ah, o longa é uma refilmagem de um clássico dos anos 80.

Ghost

Jogue o primeiro lencinho de papel quem nunca se emocionou com esse Ghost!! A história fala do meu muso mor Patrick Swayze, que é assassinado a mando do seu melhor – e bem invejoso – amigo, que pensava que ele tivesse descoberto o roubo na empresa que trabalhavam. Como ele se preocupa com Molly (Demi Moore) pede ajuda a uma vidente Oma Mae (Whoopi Gooldberg) que tente convencer que a namorada corre perigo.

Diário de uma paixão

Outro clássico do cinema! Inspirado no livro de mesmo nome do autor “Nicholas Sparks”, o longa conta a história de amor de Noah (Ryan Goslling) e Allie (Rachel McAdans). Novamente, ela menina rica, ele o pobretão. Se apaixonam e por conta de intriga da mãe, se separam. Nas vésperas do seu casamento, Allie volta para a cidade que conheceu o amado, o reencontra e desiste de tudo. O mais emocionante é que a história é narrada por um senhor para sua companheira de asilo que depois descobrimos que é o Noah, que conta diariamente para a sua esposa que sofre de Alzheimer.

Cidade dos Anjos

Filme para desidratar, fato! Sam, papel de Nicolas Cage é um anjo cuja missão é confortaras pessoas na hora da sua morte, se apaixona pela médica e humana Maggie (Meg Ryan). O anjo tem um dilema: trocar a eternidade por uma vida ao lado da amada ou deixar pra lá. Demorei anoooos pra ver e quando terminou estava sem forças para pensar. Destaque para música tema: ‘In the arms of the angel’, da Sarah McLachlan que é de suspirar.

Amor para recordar

Outro filme que teve inspiração do livro do Sparks. O jovem rebelde Landon (Shane West) após uma brincadeira de mau gosto no colégio, é obrigado a pagar seu castigo ajudando na produção de uma peça de teatro de fim de ano que também é feito pela certinha e bela Jamie (Mandy Moore), filha do pastor da cidade. Eles, tão diferentes, se apaixonam, mas ele descobre que ela tá com uma doença incurável e resolve realizar todos os sonhos e vontades dela. Um dos poucos casos em que o filme se mantem bastante fiel ao livro.

Um dia

Mais um da série: ‘era livro, virou filme’. Emma (Anne Hathaway) e Dexter (Jim Sturgess) se conhecem nos seus últimos dias da faculdade e viram grandes amigos. Mesmo sem terem nada, sempre rola um clima entre os dois. Depois de formados, cada um vai para um lado, mas mantem o contato. A história vai mostrando o dia 15 de julho na vida dos dois a cada ano. O final é meio bobo, mas é de chorar horrores. E sim, eu preferi o livro do que o filme.

Antes que termine o dia

Samantha (Jeniffer Love Hewitt) é uma professora de música que namora Ian (Paul Nichols). Com vidas bastante diferentes, o casal já caiu na mesmice e Samantha está cansada do relacionamento. Depois de um dia estressante, Ian resolve levar a amada para um jantar, porém eles discutem e um acidente ocorre com o falecimento de Sam. O cara percebe que ama a mulher, e arrependido, vai pra casa. Quando acorda, percebe que está vivendo o dia anterior e resolve então se dedicar a esse amor. Pausa. Vi esse filme sem pretensão e no final precisei de um balde. Uhum. Sério.